CLASSIFICAÇÃO DOS RESÍDUOS DO DESCARTE DE ANTIMICROBIANOS NO AMBIENTE HOSPITALAR

Lorena Priscila Priscila Oliveira Rocha, Tatiana Lima de Melo, Andressa Luiza Oliveira Rocha Soares

Resumo


A ampla utilização dos antimicrobianos é um fator de suma importância para o tratamento dos pacientes hospitalizados. Entretanto, o descarte inadequado desses compostos pode acarretar em danos aos profissionais tanto dentro do ambiente hospitalar, quanto fora dele. Assim, este trabalho tem como objetivo classificar os tipos de resíduos antimicrobianos dos serviços da saúde. A metodologia empregada neste foi uma pesquisa bibliográfica. Os resíduos podem ser classificados em vários tipos, como, por exemplo, biológicos, medicinais, radioativos e comuns. Para cada tipo de resíduo existem os descartes específicos. Além disso, a população humana pode sofrer as consequências direta ou indiretamente, por meio da contaminação ambiental. Com isso, é necessário que mais estudos sejam realizados para verificar como é feito o descarte nos serviços de saúde.


Texto completo:

PDF

Referências


ABEC, Faculdades Unidas do Vale do Araguaia; Elaborando Trabalhos Científicos – Normas para Apresentação e Elaboração. Barra do Garças (MT): Editora ABEC, 2012.

ANVISA, Agência de Vigilância Sanitária. Resolução da diretoria colegiada - rdc nº 306, de 7 de dezembro de 2004. Disponível em: http://www.anvisa.gov.br. Acesso em abril de 2015.

BRASIL. Ministério da Saúde. Agência Nacional de Vigilância Sanitária. Manual de gerenciamento de resíduos de serviços de saúde. Brasília (DF); 2006.

BRASIL. Ministério do Meio Ambiente. Resolução CONAMA no 283/2001. Dispõe sobre o tratamento e a destinação final dos resíduos dos serviços de saúde. 12 de julho de 2001.

FERREIRA, A.B.H. et al. Dicionário Aurélio Básico da Língua Portuguesa. São Paulo: Editora Nova Fronteira; 1995.

FONSECA, Janaína Conrado Lyra da. Manual para gerenciamento de resíduos perigosos. São Paulo: Cultura Acadêmica, 2009. Disponível em: http://www.unesp.br/pgr/manuais/residuos.pdf. Acesso em agosto de 2015.

FREITAS, G.; FISCHER, M. Prática Profissional: Descarte de medicamentos. Boletim informativo do CIM-RS, n. 2, Maio, 2011. Disponível em: www.ufrgs.br/boletimcimrs. Acessado em: Abril de 2015.

GARCIA, L.P.; ZANETTI-RAMOS, B.G. Gerenciamento dos resíduos de serviços de saúde: uma questão de biossegurança. Cad. Saúde Pública, v. 20, n. 3, 744-752, 2004.

GONZAGA, R. Como proceder no descarte consciente de medicamentos. Olhar Vital, v. 269. Disponível em: http://www.olharvital.ufrj.br/2010/index.php?id_edicao=269&codigo=9. Acesso em abril de 2015.

HOEFEL, H.K. et al. Análise da administração de vancomicina nas unidades de internação cirúrgicas de um hospital universitário. Brazilian Journal of Nursing, v. 3, n. 1, 2004.

HOPPE, T.R.G.; ARAÚJO, L.E.B. Contaminação do meio ambiente pelo descarte inadequado de medicamentos vencidos ou não utilizados. Monografias ambientais, v. 6, n. 6, 1248-1262, 2012.

OLIVEIRA, B. Logística reversa de medicamentos domésticos. P 23, 2012. Disponível em: http://www.avm.edu.br/docpdf/monografias_publicadas/T207882.pdf. Acessado em abril de 2015.

OLIVEIRA, K.R.; MUNARETTO, P. Uso racional de antibióticos: responsabilidade de prescritores, usuários e dispensadores. Revista Contexto & Saúde, v. 9, n. 18, p. 43-51, jan./jun. 2010.

PATRÍCIO, K. P. Percorrendo os trilhos da ferrovia rumo às associações entre longevidade humana e fatores ambientais. 2006. Tese (Doutorado em Saúde Pública) - Faculdade de Saúde Pública da Universidade de São Paulo, São Paulo, 2006

SILVA, D.O. et al. Preparo e administração de medicamentos: análise de questionamento e informações da equipe de enfermagem. Rev Latino-am Enfermagem, v. 15, n. 5, 2007.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.