A IMPORTÂNCIA DO ACOMPANHAMENTO DO PROFESSOR APOIO EM SALA DE AULA AS CRIANÇAS QUE APRESENTAM DI (DEFICIÊNCIA INTELECTUAL)

Edilene Vitor de Oliveira, Maria Bernadete Pozzobom Costa

Resumo


O acompanhamento do professor de apoio para crianças com deficiência intelectual faz-se necessário para o processo de ensino e de aprendizagem, pois esse atendimento propicia melhores condições de desenvolvimento cognitivo. Dessa forma, buscou-se demonstrar a importância do acompanhamento do professor de Apoio em sala de aula às crianças que apresentam DI (Deficiência Intelectual). Percebeu-se a necessidade do professor qualificado que auxilie na execução das atividades proposta pelo professor regente em sala de aula. Sugere-se a realização de estudos para aprofundar os conhecimentos acerca da temática; a busca de atividades e estratégias pedagógicas que poderiam ser utilizadas na diversificação dos atendimentos e o desenvolvimento de oficinas que confeccionem materiais como recursos de ensino que possam auxiliar nas ações pedagógicas.


Texto completo:

PDF

Referências


ALONSO, Daniela. Os desafios da Educação inclusiva: foco nas redes de apoio. Disponível em: http://revistaescola.abril.com.br Acesso dia 19/6/15

BARBOSA Deborah Marcia de Sá. BARBOSA Arianne de Sá. Como deve acontecer a inclusão de crianças especiais nas escolas. GT 12 Educação e Política de Inclusão Social. 2004 pg: 01 e 09. http://www.ufpi.br/subsiteFiles/ppged/arquivos/files/GT8.PDF acesso em: 22 de junho 2015.

BENITE, Anna M. Canavarro. BENITE Claúdio Roberto Machado. PEREIRA Lidiane L.S. Formação de Professores de Ciências em Rede Social. Uma perspectiva Dialógica na Educação Inclusiva. 2011 pg.01. http://revistas.if.usp.br/rbpec/article/view/26 Acesso em : 12 de abril 2014.

BUSCACGLIA, Eloi Alexandre Pereira. Papel do professor de apoio permanente para alunos com necessidades educativas especiais: reflexões sobre as políticas públicas e suas ações educativas nas salas de ensino regular. 1.997 pg. 19

http://www.uel.br/eventos/semanadaeducacao/pages/arquivos/anais/2012/anais/educacaoespecial/opapeldeprofessorde.pdf.Acesso no dia 16 de abril de 2015.

CURY, Augusto Jorge. Pais Brilhantes, Professores Fascinantes. 2003 pg.54

ESCÓRCIO, Daniela Coutinho de Morais. A interação entre professor e aluno com deficiência intelectual em escola inclusiva: um estudo de caso. 2008 pg. 73-81.

http://www.ufpi.br/subsiteFiles/ppged/arquivos/files/dissertacao/2008/interacao_professores.pdf. Acesso em: 11 de abril, 2015.

FIGUEIREDO, Rita Vieira. Deficiência intelectual/ cognição e leitura. Fortaleza edições UFC, 2012. P: 183.

FREIRE, Paulo. Carta de Paulo Freire aos professores. Ensinar, Aprender: Leitura do mundo, leitura da palavra. 1.996 pg.10.

GIL, Antônio Carlos. Métodos e técnicas de pesquisa social. Antônio Carlos Gil. 6ª. Ed. São Paulo: Atlas 2009

GOMES, Adriana L. Limaverde. Formação continuada a distância de professores para o atendimento educacional especializado. 2007 pg. 22-31. SEESP / SEED / MEC Brasília/DF

JUNIOR, Abel Pompeu de Campos Junior. Elaborando Trabalhos Científicos. Normas para Apresentação e Elaboração/ UNIVAR - Faculdades Unidas do Vale do Araguaia. Barra do Garças – MT. Editora ABEC, 2008.p.121.

LAKATOS, Eva Maria. Metodologia Científica, Marina de Andrade Marconi. – 5.ed.-2. reimr. São Paulo: Atlas, 2008.

MANTOAN, Maria Tereza Egler. Departamento de Metodologia de Ensino. Laboratório de Estudos e Pesquisas em Ensino e Diversidade. Leped/ Unicamp. 2010. http://www.pro-inclusão.org.br/textos pdf. Acesso em: 08 de fevereiro, 2015.

MAZZOTTA, J. S. Fundamentos de Educação Especial. São Paulo SP Livraria Pioneira, 1997. p. 137.

MORALES, Souza, BATISTA Guarnieri Cecília. Compreensão da sexualidade por jovens com diagnóstico de deficiência intelectual. 2010 pg. 235-244. http://www.scielo.br/pdf/paideia/v14n28/10.pdf. Acesso em: 08 de fevereiro, 2015.

PADUA, Elisângela Sousa Pimenta de, RODRIGUES Luzia. Família e deficiência: reflexões sobre o papel do psicólogo no apoio aos familiares de pessoas com deficiência. Londrina-PR, 2013. Pg 225. http://www.uel.br/eventos/congressomultidisciplinar/pages/arquivos/anais/2013/AT07-2013/AT07-028.pdf Acesso em: 12/04/2015.

PAULA, Ana Rita de. A hora e a vez da família em uma sociedade inclusiva/ Ana Rita de Paula, Carmen Martini Costa- reimpressão-. Brasília: Ministério da Educação, Secretaria de Educação Especial, 2007. Pg: 31.

PIAGET, Jean. O Possível e o Necessário. Evolução dos necessários na criança. Porto Alegre: Artes médicas, v. 2, 1985.

POLÔNIA, Simone Mainieri, Documento subsidiário à política de inclusão-Brasília: Ministério da Educação, Secretaria de Educação Especial, 2007. p 21.

http://portal.mec.gov.br/seesp/arquivos/pdf/docsubsidiariopoliticadeinclusao.pdf Acesso em 11/04/2015

São Paulo (Estado) Secretaria da Educação. Núcleo de Apoio Pedagógico Especializado – CAPE. Deficiência intelectual: realidade e ação / Secretaria da Educação. Núcleo de Apoio Pedagógico Especializado – CAPE; organização, Maria Amélia Almeida. – São Paulo: SE, 2012.p.133-143. http://cape.edunet.sp.gov.br/textos/textos/Livro%20DI. pdf. Acesso em 11 de abril de 2015.

SIERRA, Dayane Buzzelli. Atendimento Educacional especializado à Pessoa com deficiência intelectual: Contribuições da psicologia Histórico- cultural. 2011 pg: 132-140. http://www.dtp.uem.br/rtpe/volumes/v14n1/12.pdf

SILVEIRA, Ana Paula Mesquita da. ARRUDA Aparecida Luvizotto Medina Martins. O Papel do Professor Diante da Inclusão Escolar. 2014 pg.24-27. http://www.uninove.br/marketing/fac/publicacoes_pdf/educacao/v5_n1_2014/Ana_Paula.pdf.Acesso em 11 de abril de 2015.

SOARES, Jennifer. Educação Inclusiva. 2009. http://educador.brasilescola.com/trabalho-docente/educacao-inclusiva.htm. Acesso no dia 16 de abril de 2015.

STAINBACK, Susan. STAINBACK, Willian. Inclusão: Um Guia para educadores. ARTMED ed., Porto Alegre (RS), 1999.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.