ATUAÇÃO DOCENTE DE ENFERMEIROS NO ENSINO SUPERIOR: INTERPRETAÇÕES E PRÁTICAS PEDAGÓGICAS

LUANNA MARIA DOS SANTOS MARTINS, JOSIANI ALVES MOREIRA

Resumo


O estudo objetiva conhecer as estratégias adotadas para ensinar em enfermagem, analisando a atuação do profissional enfermeiro na prática docente norteada por competências. Trata-se de um estudo com abordagem qualitativa, descritivo-explicativa, envolvendo enfermeiros docentes de uma instituição de ensino superior. Os dados foram coletados mediante questionário organizado em eixos. A análise evidenciou que 50% dos enfermeiros afirmaram realizar algum curso voltado para a formação de professores. Sobre o planejamento de aulas 34,37% dos professores disseram planejar suas aulas baseado no cronograma de aulas (conteúdos programáticos) possibilitando a construção de competências necessárias à atividade do profissional de enfermagem. Percebe-se que a atuação docente constitui atualmente uma grande oportunidade para os enfermeiros no mercado de trabalho e que as transformações no ensino de Enfermagem serão palpáveis quando os mesmos mudarem sua visão sobre o processo ensino-aprendizagem e propiciarem um ensino que auxilie no desenvolvimento de competências e habilidades.


Referências


AGUIAR, GP de; GARÇÃO, MAS. FORMAÇÃO CONTINUADA: desfazendo nós. Revista Eletrônica Interdisciplinar, 2(2), 2009. Disponível em: . Acesso em: junho de 2016.

BARDIN, L. Análise de Conteúdo. Lisboa: Edições, 1994.

BERGER FILHO, RL. Educação profissional no Brasil: novos rumos. Revista Ibero-americana de Educación, Madri, 20(7): 87-105, 1999.

BOLPATO, MB; SOUZA, PR; FARIA, AA. A evolução da docência no ensino superior: uma revisão reflexiva. Revista Eletrônica Interdisciplinar, 2(14):66-71, 2015.

BRASIL. Ministério da Educação. Lei nº 9.394 de 20 de dezembro de 1996: estabelece as diretrizes e bases da educação nacional. Diário Oficial da União. Brasília: DF, 1996.

BRASIL. Ministério da Educação e Cultura. Conselho Nacional de Educação Brasil. Câmara de Educação Superior. Resolução CNE/CES nº 03 de 07 de novembro de 2001: Diretrizes Curriculares Nacionais do Curso de Graduação em Enfermagem. Diário Oficial da União. Brasília, 2001.

BRASIL. Ministério da Saúde. Conselho Nacional de Saúde. Resolução 196, de 10 de outubro de 1996: diretrizes e normas regulamentadoras de pesquisa envolvendo seres humanos. Brasília: DF, 1996.

BRASIL. Ministério da Saúde. Conselho Nacional de Saúde. Resolução 466/2012. Disponível em:. Acesso em 01 de maio de 2016.

CECCIM, RB; FEUERWERKER, LCM. O Quadrilátero da Formação para a Área da Saúde: Ensino, Gestão, Atenção e Controle Social. PHYSIS: Revista de Saúde Coletiva, 1(14): 41- 65, 2004.

CUNHA, MI da. Diferentes Olhares Sobre as Práticas Pedagógicas no Ensino Superior: a docência e sua formação. Educação, Porto Alegre – RS, ano XXVII, 3(54):525- 536, Set/Dez, 2004.

DEMO, P. Professor do futuro e reconstrução do conhecimento. Petrópolis: Vozes; 2009.

FARIA, JIL; CASAGRANDE, LDR. A educação para o século XXI e a formação do professor reflexivo na enfermagem. Rev. Latino-am Enfermagem, 12(5): 821-27, 2004.

FERNANDES, JD; TEIXEIRA, GAS; SILVA, MG; FLORÊNCIO, RMS; SILVA, RMO; SANTA ROSA, DO. Expansão da educação superior no Brasil: ampliação dos cursos de graduação em enfermagem. Rev. Latino-Am. Enfermagem, 21(3):8, maio-jun., 2013.

GASTALDO, D; MEYER, D; BORDAS, M. Ensino integrado: uma revisão histórico-crítica do modelo implantado no ensino superior da área da saúde no Brasil. Revista Brasileira de Estudos Pedagógicos, São Paulo, 72(170):122, jan.-abr., 1991.

HORA, DL da.; SOUZA, CTV de. Ensino na saúde: propostas e práticas para a formação acadêmico-pedagógica de docentes. RECIIS – Rev. Eletrôn. de Comun. Inf. Inov. Saúde, 9(4), out-dez., 2015.

IDE, CAC; DOMENICO, EBL. Ensinando e aprendendo um novo estilo de cuidar. São Paulo: Atheneu, 2001.

LAZZARI, DD; PEDRO, ENR; SANCHES, MO; JUNG, W. Estratégias de ensino do cuidado em enfermagem: um olhar sobre as tendências pedagógicas. Rev. Gaúcha Enferm., Porto Alegre, 32(4):688-94, dez., 2011.

LIMA, VV. Competence: different approaches and implications in the training of healthcare professionals. Interface - Comunicação, Saúde, Educação; 9(17): 369-79, 2005.

MINAYO, MCS. O desafio do conhecimento: pesquisa qualitativa em saúde. 8 ed. São Paulo: Hucitec; 2004.

MORIN, E. Educação e complexidade: os sete saberes e outros ensaios. 4 ed. São Paulo: Cortez, 2007.

MORIN, E. Os sete saberes necessários a educação do futuro. 2 ed. rev. São Paulo: Cortez; Brasília, DF: UNESCO, 2011.

PERRENOUD, P. 10 novas competências para ensinar. Porto Alegre: Artmed; 2000.192p.

RODRIGUES, J; ZAGONEL, IPS; MONTOVANI, MF. Alternativas para a Prática Docente no Ensino Superior de Enfermagem. Esc. Anna Nery R Enferm., 11 (2): 313 – 7, jun., 2007.

SILVA, KL; SENA, RR. A formação do enfermeiro: construindo a integralidade do cuidado. Revista Brasileira de Enfermagem, 59(4):488-91, 2006.

TEIXEIRA, E; VALE, EG; FERNANDES, JD; SORDI, MRL. Trajetória e tendências dos Cursos de Enfermagem no Brasil. Rev. Bras. Enferm., 59(4):479-87, 2006.

VALE, EG; GUEDES, MVC. A nova política de educação e suas implicações nos cursos de graduação de enfermagem: apreciação crítica da Associação Brasileira de Enfermagem – ABEN. In: CBEN. Anais do 51º Congresso Brasileiro de Enfermagem; Florianópolis: SC, Brasil, ABEN, 2000.

VALE, EG; GUEDES, MVC. Competências e Habilidades no Ensino de Administração em Enfermagem à luz das Diretrizes Curriculares Nacionais. Rev. Bras. Enferm., Brasília: DF, 57(4):475- 8, jul.-ago., 2004.

WALDOW, VR. Reflexões sobre educação em enfermagem: ênfase em um ensino centrado no cuidado. Mundo Saúde, 33(2):182-8, 2009.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.