A IMPORTÂNCIA DA AFETIVIDADE PARA A FORMAÇÃO DO FUTURO PROFISSIONAL DA EDUCAÇÃO

LAIRA BREGOLATO LISBOA, CRISTINA ALVES MOREIRA

Resumo


Este artigo expõe as implicações advindas da formação inicial do professor para o processo de ensino e aprendizagem, tendo a afetividade como metodologia norteadora de toda a sua formação. Assim, procurou-se compreender como a afetividade se configura na formação de professores em nível superior e como essa dimensão influencia na relação ensino e aprendizagem. O objetivo geral deste estudo foi compreender a importância da afetividade na formação inicial dos futuros docentes, apesar da ideologia implícita nos cursos de formação inicial. Trata-se de uma pesquisa bibliográfica, cujos referenciais se amparam em Althusser, que concebe a escola como aparelho ideológico de estado a serviço do capital, para reprodução do sistema capitalista.


Texto completo:

PDF

Referências


ALTHUSSER, Louis, Aparelhos Ideológicos de Estado: nota sobre aparelhos de Estado. Rio de Janeiro: Edições Graal, 1985.

CODO, W. Educação, carinho e trabalho. Petrópolis: Vozes, 2002

FREIRE, Paulo. Pedagogia da autonomia: saberes necessários à prática educativa-21ª Edição- São Paulo. Editora Paz e Terra, 2002.

FUSARI, José Cerchi. Formação contínua de professores: o papel do Estado, da universidade e do sindicato. In: ENCONTRO NACIONAL DE DIDÁTICA E PRÁTICA DE ENSINO, 9., 1998, Águas de Lindóia. Conferências, mesas-redondas e simpósios. Petrópolis: Vozes, 1998.

FREUD, Sigmund. Análise de uma fobia em um menino de cinco anos. In Edição Standard Brasileira das Obras Psicológicas completas de S. Freud (Jayme Salomão, trad.). (Vol. 10, pp. 11-154). Rio de Janeiro: Imago. (Texto original publicado em 1909), 1980.

GIL, Antônio Carlos. Métodos e técnicas de pesquisa social. 6. ed. São Paulo: Atlas, 2008.

KENSKI, Vani M. Educação E Tecnologias - O Novo Ritmo Da Informação. São Paulo: Papirus, 2003.

LEITE, S. A. S. Afetividade nas práticas pedagógicas. Temas de psicologia, Ribeirão Preto , v. 20, n. 2, dez. 2012.

LIBÂNEO, José Carlos. Organização da Escola: teoria e prática. Goiânia: Alternativa, 2001.

LINHARES, C. e SILVA, W. C. Formação de professores: Travessia Crítica de um Labirinto Legal. Brasília: Plano Editora, 2003.

OLIVEIRA, Giulliana, N. Afetividade e formação de professores. (Monografia), Faculdade de Educação da Universidade de Brasília. Brasília-DF, 2014. Disponível em: http://bdm.unb.br/bitstream/10483/9455/1/2014_GiullianaNovaesOliveira.pdf. Acessado em 15 mai. 2017.

MÉSZÁROS, István. A educação para além do capital. São Paulo: Bomtempo, 2005.

MORAN, J. M. A Afetividade e a Auto – estima na Relação Pedagógica. 2007.

NÓVOA, Antônio. Os professores e a sua formação. Tradução de Graça Cunha, Cândida Hespanha e Conceição Afonso. Lisboa: Dom Quixote, 1992.

PIAGET, J. Seis estudos de psicologia. Rio de Janeiro, p 21-68 ed 24, Forense Universitária, 2001.

SCHÖN, Donald A.; Formar professores como profissionais reflexivos, In: Os professores e sua formação. Publicações Dom Quixote, 1995.

SOUZA, Maria Thereza Costa Coelho de. Cultura, cognição e afetividade: Inter-relações em diferentes perspectivas. A interação social e os objetos “afetivos” na perspectiva piagetiana de construção do conhecimento. São Paulo: Ed. Casa do Psicólogo, 2002.

TARDIF, M. Saberes profissionais dos professores e conhecimentos universitários: elementos para uma epistemologia da prática profissional dos professores e suas consequências em relação à formação para o magistério. In: Revista Brasileira de Educação. Jan/Fev/ Mar/ Abr., n. 13, 2000.

TRIVIÑOS, Augusto Nivaldo Silva. Introdução à pesquisa em ciências sociais: a pesquisa qualitativa em educação. São Paulo: Atlas, 1987.

VEIGA, P. I. Ensinar: uma atividade complexa e laboriosa. In: VEIGA, P. Ilma. Lições de Didática. Campinas: Papirus, 2007.

VINHA, Telma Peleggi. O educador e a moralidade infantil: uma visão construtivista. Campinas, SP. 2000.

VYGOTSKY, L. S. A. A formação social da mente. São Paulo: Martins Fontes, 2007.

______. O desenvolvimento psicológico na infância. São Paulo: Martins Fontes. 1998.

WALLON, H. A evolução psicológica da criança. Lisboa: Edições 70, 1986.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.