AVALIAÇÃO DA HIPERTENSÃO ARTERIAL SISTÊMICA EM PACIENTES COM INSUFICIÊNCIA RENAL CRÔNICA

BIANCA OLIVEIRA SILVA, PRISICLA DE SOUZA GOULART, PATRÍCIA DE BRITO VILELA, DANIELLY RODRIGUES ARAUJO, AUREA DAMACENO ALVES, ANNA LETTYCIA VIEIRA DOS SANTOS PEREIRA

Resumo


As doenças crônicas não transmissíveis assim como a Hipertensão Arterial e o Diabetes Mellitus são fatores agravantes para a Doença Renal Crônica. A pesquisa trata-se de um estudo que avalia as principais complicações que acometem os pacientes portadores de Insuficiência Renal atendidos no Instituto de Nefrologia do Araguaia, com abordagem quantitativa e qualitativa realizada em 2016. Os dados foram obtidos por meio de questionário, sendo que o principal objetivo do estudo é descrever o tempo de tratamento dos pacientes, métodos de aquisição dos medicamentos, se os pacientes já tinham alguma patologia antes da hemodiálise, as principais causas da Insuficiência Renal, e verificar se a hipertensão é uma comorbidade ou fator de risco. E assim, propor medidas para melhorar a qualidade de vida dos pacientes através da atenção farmacêutica, visando identificar e solucionar problemas associados a medicamentos e diminuir os riscos de interação medicamentosa.

 


Texto completo:

PDF

Referências


ABEC. Elaborando trabalhos científicos. 3ª ed. Barra do Garças: ABEC/UNIVAR. 2015. 140p.

ALVES, A. B.; BASTOS, D. P.; SILVA, D. A. Avaliação da comorbidade entre hipertensão arterial sistêmica e insuficiência renal. ACTA Biomédica Brasiliense, v.5, n.2, p.49-59, 2014. Disponível em: . Acesso em Março de 2016.

BASTOS, M.G.; BREGMAN, R.; KIRSZTAJN, G. M. Doença renal crônica: frequente e grave, mas também prevenível e tratável. Revista da Associação Médica Brasileira, v. 56, n. 2, 2010. Disponível em: Acesso em Março de 2016.

BISSON, M. P. Farmácia Clínica & Atenção Farmacêutica. 2ª ed. Barueri, SP: Manole, 2007. 371p.

BRAGA, E. B. D. O.; LEITE, C. M. Prevalência de fatores de risco para doenças cardiovasculares entre homens de uma população urbana do sudeste do brasil. Cad. Saúde Pública, v. 25, n.1, 2009. Disponível em:

Acesso em Novembro de 2016.

BRASIL. Sociedade Brasileira de Nefrologia. Hemodiálise/ tratamento.2016 Disponível em: . Acesso em 27 de março de 2016.

CAVALCANTE, M. et al. Portadores de doença renal crônica em fase produtiva: percepção sobre limitações resultantes do adoecimento. Revista Médica de Minas Gerais, v.1, n.1, p. 484-492, 2015. Disponível em:

Acesso em Fevereiro de 2016.

COSTA, K. A. S. et al. Avaliação dos parâmetros de exames na rotina de pacientes com deficiência renal na pré e pós hemodiálise do Instituto de Nefrologia do Araguaia de Barra do Garças MT. Revista Eletrônica Interdisciplinar, v. 1, n. 13, p. 52-57, 2015. Disponível em: . Acesso em Março de 2016.

CURY, J. L.; BRUNETTO, A. F.; AYDOS, R. D. Efeitos negativos da insuficiência renal crônica sobre a função pulmonar e a capacidade funcional. Rev. Bras. Fisioter., v. 14, n. 2, p. 91-98, 2010. Disponível em: . Acesso em Março de 2016.

DAMMAN, K. et al. Current Evidence on Treatment of Patients With Chronic Systolic Heart Failure and Renal Insufficiency. Journal Of The American Collage Of Cardiology, v. 63 n. 9, p.853-871, 2014. Disponível em: . Acesso em 30 de Setembro de 2016.

H ALL, J. E. Tratado de Fisiologia Médica. 12ª ed. Rio de Janeiro: Elsevier, 2011. 1151p.

HUMBERT, M. et al. Advances in Therapeutic Interventions for Patients With Pulmonary Arterial Hypertension. Circulation. v. 130 n. 24, 2014. Disponível em:

< http://circ.ahajournals.org/content/130/24/2189.full>

KIRCHNER, R. M. et al. Análise do estilo de vida de renais crônicos em hemodiálise. O Mundo da Saúde, v.35, n.4, p.415-421. Disponível em: Acesso em Março de 2016.

MADEIRO, A. C. et al. Adesão de portadores de insuficiência renal crônica ao tratamento de hemodiálise. ACTA Paul. Enferm., v. 23, n. 17, p. 546- 551, 2010. Disponível em: Acesso em Fevereiro de 2016.

MELO, A. P.; MESQUITA, G. V.; MONTEIRO, C. F. S. Diagnóstico precoce da doença renal crônica pela estratégia saúde da família. Revista Interdisciplinar, v. 6, n. 1, p.124-128, 2013. Disponível em:

Acesso em Março de 2016.

MENDES, G. S.; MORAES, C. F.; GOMES, L. Prevalência de hipertensão arterial sistêmica em idosos. Revista Brasileira de Medicina de Família e Comunidade,

v. 1, n. 32, p. 273-278, 2014. Disponível em: Aceso em Março de 2016.

NEVES, J. L.; HOMEN, F. V.; DANNI, F. F. Menopausa e hipertensão arterial. Rev. Bras. De Hipertensão, v. 15, n. 4, p. 222-224, 2008. Disponível em:

< http://departamentos.cardiol.br/dha/revista/15-4/12-comunicacao-breve%20.pdf> Acesso em Novembro de 2016.

PEREZ, G. T.; POLETO, S. L.; SANTOS, A. L. V. Perfil clínico e epidemiológico de pacientes com insuficiência renal crônica em terapia renal substitutiva. Revista interdisciplinar. v. 16, n. 2, p. 56-62, 2016. Disponível em . Acesso em novembro de 2016.

RIBEIRO, R. C. H. N. et al. Caracterização e etiologia da insuficiência renal crônica em unidade de nefrologia do interior do Estado de São Paulo. ACTA Paul. Enferm., v. 21, p. 207-211, 2008. Disponível em: Acesso em Março de 2016.

OLIVEIRA, M. M. L. et al. Exercício aeróbico no controle da hipertensão arterial na pós-menopausa. Fisioter. Mov. V. 24, n.1, p. 23-31, 2011. Disponível em:

< http://www.scielo.br/pdf/fm/v24n1/v24n1a03> Acesso em Novembro de 2016.

TERRA, F. S. Avaliação da qualidade de vida do paciente renal crônico submetido à hemodiálise e sua adesão ao tratamento farmacológico de uso diário. 2007. 173f. Dissertação (Mestrado em Saúde) - UNIFENAS, Alfenas Minas Gerais, 2007. Disponível em: Acesso em Março de 2016.

VARELLA, D. Hipertensão, doenças e sintomas, 2011. Disponível em:

. Acesso em 27 de março de 2016.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.