AVALIAÇÃO DE RISCO CARDÍACO E DIAGNÓSTICO DO INFARTO AGUDO DO MIOCÁRDIO EM BARRA DO GARÇAS, MT

ALESANDRA RIBAS DOS SANTOS PEREIRA, ANA THAYS BATISTA LOPES, FERNANDO ALMEIDA LIMA, AUREA DAMACENO ALVES, ANNA LETTYCIA VIEIRA DOS SANTOS PEREIRA

Resumo


O infarto agudo do miocárdio (IAM) é responsável por um elevado número de óbitos no Brasil e chama a atenção por sua incidência. O diagnóstico é realizado com base no exame clínico, testes bioquímicos em conjunto com exames de imagem, como eco cardiograma. Este estudo tem como objetivo através de embasamento cientifico, avaliar os métodos disponíveis para diagnóstico laboratorial de IAM. Foram coletados dados quantitativos prontos no banco de dados do laboratório Central de analise clinicas de Barra do Garças-MT, envolvendo o total de 122 pacientes entre o mês de Setembro de 2015 a Maio de 2016, sendo 57 do sexo masculino e 65 do sexo feminino.  Os exames utilizados foram: Creatinofosfoquinase (CPK), Creatina fosfoquinase fração MB (CK-MB) e Troponina. Encontrar um marcador cardíaco ideal requer uma análise da situação clínica do paciente, as particularidades de cada marcador, sensibilidade, vantagens e desvantagens do uso clínico marcadores cardíacos.


Texto completo:

PDF

Referências


ABEC – FACULDADES UNIDAS DO VALE DO ARAGUAIA. Elaborando Trabalhos Científicos – Normas para apresentação e elaboração. 3ª Edição Revista e Ampliada/ Univar – Faculdades Unidas do Vale do Araguaia. Barra do Garças/MT: Editora ABEC, pg. 15-17, 2015.

ANDRADE, J. P. et al. Programa nacional de qualificação de médicos na prevenção e atenção integral às doenças cardiovasculares. Arq. Bras. Cardiol. v.100, n.3, 2013. Disponível em:< http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0066-782X2013000300001>. Acesso em: 11 de outubro de 2016.

CARVALHO, G. Infarto agudo do miocárdio: uma amostra de atendimento na cidade de Goiânia e o valor prognóstico da ck-mb. Tese (Doutorado). Programa de Pós-graduação em Ciências da Saúde (FM) UFG. Doutorado em Ciências da Saúde (FM). Disponível em: . Acesso em: 02 de setembro de 2016.

CANTELLE, C. F.; LANARO, R. Indicadores Bioquímicos do Infarto Agudo do Miocárdio. Ciências em saúde. v. 1, n. 3, 2011. Disponível em: < http://200.216.240.50:8484/rcsfmit/ojs-2. 3.3-3/index.php/rcsfmit zero/article/viewFile/53/55 >. Acesso em: 10 de outubro de 2016.

CORREIA, L. C. L. et al. Valor prognóstico da troponina I de alta sensibilidade versus troponina T nas síndromes coronarianas agudas. Arq. Bras. Cardiol. v. 98, n. 5, 2012. Disponível em:< http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0066-782X2012000500005>. Acesso em: 30 de Março de 2016.

DAMASCENO, C. A; MUSSI, F. C. Fatores de retardo pré-hospitalar no infarto do Miocárdio: uma revisão de literatura. Ciência, cuidado e saúde. v. 9, n. 4, 2010. Disponível em: . Acesso em: 14 de março de 2016.

FERRAZ, F. G. R. et al. Infarto agudo do miocárdio e sua prevalência na população brasileira. Brazilian Journal of Surgery and Clinical Research. 2015. Disponível em: . Acesso em: 29 de março de 2016.

FLEMING, J. J. et al. Anomalous Activity Measurements of Creatine (Phospho) Kinase, CK-MB Isoenzyme in Indian Patients in the Diagnosis of Acute Coronary Syndrome. Indian J Clin Biochem. v. 26, n. 1, p. 32–40, 2011. Disponível em: . Acesso em: 07 de outubro de 2016.

GOLLOP, N. D. et al. Is periprocedural CK-MB a better indicator of prognosis after emergency and elective percutaneous coronary intervention compared with post-procedural cardiac troponins. Interact Cardiovasc Thorac Surg. v. 17, n. 5, p. 867–871, 2013. Disponível em: < https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pmc/articles/PMC3805196/ >. Acesso em: 07 de outubro de 2016.

GUDBET, R. R. et al. Role of endothelin in microvascular dysfunction following percutaneous coronary intervention for non-ST elevation acute coronary syndromes: a single-centre randomised controlled trial. Open Heart. v. 3, n. 2, p. e000428, 2016. Disponível em: . Acesso em: 07 de outubro de 2016.

JACOBSEN, C. E. Report from the evaluation SKUP/2013/97 of NT-proBNP on Cobas h 232. organised by SKUP at the request of Roche Diagnostics Norway AS. 2013. Disponível em: . Acesso em: 06 de outubro de 2016.

JARROS, I. C; ZANUSSO JUNIOR, G. Avaliação de risco cardíaco e o diagnóstico do infarto agudo do miocárdio no Laboratório de análises clínicas. Revista UNINGÁ Review. v.19, n.3, p.5-13, 2014. Disponível em: . Acesso em: 10 de fevereiro de 2016.

LOPES, V. C. et al. Alterações morfológicas cardiovasculares no infarto agudo do miocárdio – revisão de literatura. Revista da saúde da AJES. v. 1, n. 1, 2015. Disponível em: . Acesso: 10 de setembro de 2016.

MISSAGLIA, M. T; NERIS, E. S; SILVA, M. L. T. Uso de Protocolo de Dor Torácica em Pronto Atendimento de Hospital Referência em Cardiologia. Revista brasileira de cardiologia. v. 26, n. 5, p. 374-381, 2013. Disponível em: < http://www.rbconline.org.br/wp-content/uploads/RBC_26_5_Art_67_Mariangela_Missaglia-2.pdf>. Acesso em: 30 de março de 2016.

MCPHERSON, R; PINCUS, M.R. Diagnostico clínicos e tratamento por métodos laboratoriais. 21ª Edição Manole, Barueri, São Paulo. Pg. 257-258, 2012.

MOTTA, V. T. Bioquímica clínica para o laboratório – princípios e interações. 5ª Edição MedBook. Rio de Janeiro. Pg 111 – 113, 2009.

PALANDRI, A. C.; LAURINDO, F. R. M.; PINTO, I. M. Manual prático em cardiologia. Editora Atheneu, São Paulo, pg. 248-250, 2005.

PIEGAS, L. S. et al. V Diretriz da Sociedade Brasileira de Cardiologia sobre Tratamento do Infarto Agudo do Miocárdio com Supradesnível do Segmento ST. Arq. Bras. Cardiol. v.105, n. 2, supl.1, 2015. Disponível em: . Acesso em: 10 de setembro de 2016.

PINA. D. Solução Hospital. Point of care. O poder da decisão. Disponível e < http://static.labnetwork.com.br.s3.amazonaws.com/wordpress/wp-content/uploads/2016/05/RocheNews_02_2016.pdf >. Acesso em: 06 de outubro de 2016.

REGENGA, M. M. Fisioterapia em cardiologia. 2ª Edição, Editora Roca, São Paulo, pag. 495, 2012.

ROCHE. Correlação com o método laboratorial. Disponível em: < http://www.cenaclin.com.br/Cobash232.pdf >. Acesso em: 07 de outubro de 2016.

ROCHE, News. Tecnologia de ponta na ponta dos dedos. Disponível em: Acesso em: 07 de outubro de 2016.

SANTOS, A. V. L.; FERRARI, C. K. B. Cardiovascular risk factors among a population in Brazilian legal Amazon. IJPBR, 2011. Disponível em: . Acesso em outubro de 2016.

SANTOS, S. M. J. Dor aguda: revisão do diagnóstico de enfermagem em pacientes com infarto agudo do miocárdio. Tese. Departamento de enfermagem. Universidade Federal do Ceará. 2014. Disponível em:< http://repositorio.ufc.br/handle/riufc/13748>. Acesso em: 10 de outubro de 2016.

SANTOS, S. M. J. Dor aguda: revisão do diagnóstico de enfermagem em pacientes com infarto agudo do miocárdio. 198 f. Tese (Doutorado em Enfermagem) – Faculdade de Farmácia, Odontologia e Enfermagem, Universidade Federal do Ceará, Fortaleza, 2014. Disponível em: . Acesso em: 15 de setembro de 2016.

SEBOLD, F. J. G. et al. Alterações eletrocardiográficas na população adulta de cidade do sul do Brasil: estudo populacional. Revista Portuguesa de Cardiologia. v. 34, n. 12, p. 745-751, 2015. Disponível em: . Acesso em: dia 14 de março de 2016.

SERRANO, C. V.; TIMERMAN, A.; STEFANINI, E. Tratamento de cardiologia SOSEP. 2ª Edição Manole, Barueri, São Paulo, p. 896-905, 2009.

SIERRA, A. P. et al. Alteração de biomarcadores de lesão miocárdica em atletas após a Maratona Internacional de São Paulo. Rev Bras Med Esporte, v. 21, n. 3, 2015. Disponível em: . Acesso em: 02 de setembro de 2016.

SILVA, S. H.; MORESCO, R. N. Biomarcadores cardíacos na avaliação da síndrome coronariana aguda. Scientia Medica. v. 21, n. 3, 2011. Disponível em: . Acesso em: 11 de março de 2016.

SOCIEDADE BRASILEIRA DE CARDIOLOGIA. Diretrizes da sociedade brasileira de cardiologia sobre angina instável e infarto agudo do miocárdio sem supradesnível do segmento st (2 edição, 2007) – atualização 2013/2014. Disponível em: . Acesso em: 09 de março de 2016.

SOCIEDADE BRASILEIRA DE CARDIOLOGIA. V Diretriz Brasileira de Dislipidemias e Prevenção da Aterosclerose. Disponível em:

SÖRENSEN, N. A. et al. High-sensitivity troponin and novel biomarkers for the early diagnosis of non-ST-segment elevation myocardial infarction in patients with atrial fibrillation. Eur. Heart. J Acute Cardiovasc Care. v. 5, n. 6, p. 419-427, 2015. Disponível em: . Acesso em: 07 de outubro de 2016.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.