COMPLICAÇÕES DAS ARBOVIROSES TRANSMITIDAS PELO AEDES AEGYPTI E SEUS PRINCIPAIS IMPACTOS NO PAÍS

CARMELITA APARECIDA BORGES DOS SANTOS, ANNA LETTYCIA VIEIRA DOS SANTOS PEREIRA, AUREA DAMACENO ALVES

Resumo


O Aedes aegypti é a principal espécie vetor transmissora dos vírus da dengue, Zika e chikungunya, mantendo o ciclo urbano da transmissão homem-vetor-homem. Objetivou-se informar a sociedade a respeito do tema, mostrando dados oficiais que são divulgados pelo site do Ministério da Saúde. O estudo tem abordagem qualiquantitativa, através de pesquisa descritiva documental por meio da busca de dados epidemiológicos, disponibilizados pelo Site do Ministério da Saúde. Os resultados da pesquisa se mostraram alarmantes nos últimos cinco anos: em 2012 foram registrados 565.510 casos, em 2013 registrou-se 1.400.000 casos, em 2014 registrou-se 572.308 casos, em 2015 registrou-se 1.649.008 casos e até junho de 2016 registrou-se 1.345.000 casos. O Zika Vírus já tem 66.180 casos confirmados. No caso da febre chikungunya até junho de 2016, foram registrados 137.808 casos prováveis da doença no país, onde 32.679 foram confirmados.


Texto completo:

PDF

Referências


ABEC – FACULDADES UNIDAS DO VALE DO ARAGUAIA. Elaborando Trabalhos Científicos – Normas para apresentação e elaboração. 3ª Edição Revista e Ampliada/ Univar – Faculdades Unidas do Vale do Araguaia. Barra do Garças/MT: Editora ABEC, 2015.

ARRUDA, J. E. G. Palestra: Farmacêuticos contra a Dengue, Chikungunya e Zika. São Paulo: CRF-SP, 2016.

BARROSO, W. B.G; MAGALHÃES J. L. Evolução da febre chicungunha no brasil e os Produtos relacionados. Anais do IV SINGEP – São Paulo – SP – Brasil – 08, 09 e 10/11/2015.

BRASIL1. Recomendações técnicas ao Sistema Nacional de Vigilância Sanitária para colaborar no combate ao Aedes aegypti e prevenção e controle da Dengue, Chikungunya e infecção pelo vírus Zica. Agência Nacional de Vigilância Sanitária - ANVISA 2016. Disponível em: . Acesso em 05 abr. 2016.

BRASIL2. Manual de Orientação ao Farmacêutico: Dengue, Zika e Chikungunya. / Conselho Regional de Farmácia do Estado de São Paulo. – São Paulo: Conselho Regional de Farmácia do Estado de São Paulo, 2016. 52 p.

BRASIL3. Ministério da Saúde. Secretaria de Vigilância em Saúde. Departamento de Vigilância Epidemiológica. Nota técnica 162/2010: casos importados da febre do Chikungunya no Brasil. Brasília: MS, 2010 Disponível em: . Acesso em: 07 mar. 2016.

BRASIL4. Ministério da Saúde. Secretaria de Vigilância em Saúde. Departamento de Vigilância Epidemiológica. Boletins Epidemiológicos. Disponível em: Acesso em: 05 out. 2016.

BRASIL5. Ministério da Saúde. Secretaria de Vigilância em Saúde. Departamento de Vigilância das Doenças Transmissíveis. Febre de Chikungunya: manejo clínico. Brasília / DF, 2015. Disponível em: Acesso em 08 de out. 2016.

CAMPOS, G.S.; BANDEIRA, A. C.; SARDI S. I. Zika Virus outbreak, Bahia, Brazil. Emerg Infect Dis. v. 21, n. 10, p. 1885- 1866, 2015.

CHAVES FILHO, J. I. G. et al. Revisão da literatura: a relação entre Zika Vírus e Síndrome de Guillain-Barré. Revista Ciência e Estudos Acadêmicos de Medicina, v. 1, n. 05, 2016.

CHAVES, M. R. O. et al. Dengue, Chikungunya e Zika: a nova realidade brasileira. Rev. Newslab Artigo, 2015. Disponível em:

.

Acesso em: 08. Abr. 2016.

DIAS, L. B. A et al. Dengue: transmissão, aspectos clínicos, diagnóstico e tratamento. Medicina (Ribeirao Preto. Online), v. 43, n. 2, p. 143-152, 2010.

FIOCRUZ. Rede Dengue, Zika e Chikungunya. Rede de Ações Integradas de Atenção à Saúde no Controle da Dengue. Disponível em: . Acesso em: 23 mar. 2016.

GUIMARÃES, V. N. Identificação e caracterização molecular do vírus dengue em indivíduos sintomáticos atendidos na rede pública de saúde de Goiânia – Goiás, durante o período epidêmico 2012- 2013. 92 f. Dissertação (Mestrado). Universidade Federal de Goiás, Instituto de Patologia Tropical e Saúde Pública, 2014.

LUZ, K. G.; SANTOS, G.I.V.; VIEIRA, R.M. Febre pelo vírus Zika. Universidade Federal do Rio Grande do Norte, Instituto de Medicina Tropical, Natal-RN, Brasil. Epidemiol. Serv. Saúde, Brasília, v.24, n. 4, p.785-788, out-dez 2015.

UFRJ. Zika vírus e microcefalia. Disponível em: . Acesso em: 28 mar. 2016.

VASCONCELOS, P. F. C. Doença pelo vírus Zika: um novo problema emergente nas Américas? Revista Pan-Amaz Saúde, Ananindeua, v. 6, n. 2, p. 9-10, jun. 2015. Disponível em: . Acesso em: 29 mar. 2016.

WORLD HEALTH ORGANIZATION. Dengue haemorrhagic fever: diagnosis, treatment, prevention and control. Geneva, 1997. Disponível em: http://www.who.int/csr/resources/publications/dengue/Denguepublication/en/index.html. Acesso em 08 set 2016.

ZANLUCA, C. et al. First report of autochthonous transmission of Zika virus in Brazil. Mem Inst. Oswaldo Cruz, Rio de Janeiro, v.110 n. 4, p. 569-572, June 2015.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.