ESTUDO ETNOBOTÂNICO DE PLANTAS MEDICINAIS UTILIZADAS PELOS ACADÊMICOS INDÍGENAS DA UNIVAR

DANIELLY RODRIGUES ARAÚJO, PATRÍCIA DE BRITO VILELA, PRISCILA DE SOUZA GOULART, BIANCA OLIVEIRA SILVA, ANNA LETTYCIA VIEIRA DOS SANTOS PEREIRA, AUREA DAMACENO ALVES

Resumo


O objetivo deste estudo foi avaliar o uso de plantas medicinais por acadêmicos indígenas da Faculdade Univar. É um estudo analítico de corte transversal, composto por 14 indivíduos. O intuito dessa pesquisa foi verificar por meio de questionário a co-utilização de plantas e medicamentos sintéticos pelos acadêmicos indígenas e constatar o uso medicinal das plantas citadas pelos mesmos e a utilização medicinal encontrada na literatura científica. A faixa etária dos acadêmicos foi entre 20 a 45 anos. As plantas medicinais mais citadas foram o gengibre (Zingiber officinale) em 28,6% e o guaco (Mikania glomerata) 14,3%. As plantas medicinais relatadas pelos acadêmicos, 66,7 % apresentam a utilização tradicional correspondente ao uso descrito na literatura científica e 33,3% foram descritas para usos diferentes aos encontrados na literatura científica. A partir do estudo verifica-se que a maior parte das plantas citadas apresentam a utilização tradicional correspondente ao uso descrito na literatura científica. E os principais de medicamentos sintéticos citados foram a dipirona sódica em 57, 1% , dorflex (dipirona monoidratada, citrato de orfenadrina e cafeína anidra) em 57,1% e paracetamol 50%. Pode-se afirmar que apesar das modificações sofridas por esse povo ainda possuem vasto conhecimento sobre plantas medicinais. 


Texto completo:

PDF PDF

Referências


ABEC – FACULDADES UNIDAS DO VALE DO ARAGUAIA. Elaborando Trabalhos Científicos – Normas para apresentação e elaboração. 3ª Edição Revista e Ampliada/ Univar – Faculdades Unidas do Vale do Araguaia. Barra do Garças/MT: Editora ABEC, 2015.

BASTOS, M. G. Uso de preparações caseiras de plantas medicinais utilizadas no tratamento de doenças infecciosas. 2007. Disponível em: . Acesso em fevereiro de 2016.

BRASIL. Fundação Nacional de Saúde. Lei Arouca: a Funasa nos 10 anos de saúde indígena / Fundação Nacional de Saúde. Brasília : Funasa, 2009. 112 p. il. Disponível em: . Acesso em fevereiro de 2016.

BRASIL. Ministério da Cultura. Secretaria da Identidade e da Diversidade Cultural - 2010. Secretaria da Cidadania e da Diversidade Cultural - 2012. Plano Setorial para as Culturas Indígenas/ MinC/ SCC - Brasília, 2012. 146 p.: il. color. ISBN 978-85-60618-09-5

CAMPELO, A. Busca pelos direitos dos indígenas é constante. Disponível em: < https://www.portal.ufpa.br >. Acesso em 15 de setembro de 2016.

DIEHL E. E, GRASSI F .Use of medicines in a Guaraní Indian village on the coast of Santa Catarina State, Brazil. Disponível em: . Acesso em 16 de setembro de 2016.

DIEHL, E. E. Entendimentos, práticas e contextos sociopolíticos do uso de medicamentos entre os Kaingáng (Terra Indígena Xapecó, Santa Catarina, Brasil). Rio de Janeiro : 2001. 230 p. Disponível em: . Acesso em 16 de setembro de 2016.

DI STASI, L. C. PLANTAS MEDICINAIS: ARTE E CIÊNCIA: Um guia de estudo interdisciplinar. São Paulo: Editora da Universidade Estadual Paulista, 1996. 230 p.

GARNELO, L ; WRIGHT, R. Doença, cura e serviços de saúde. Representações, práticas e demandas Baníwa. Cad Saúde Pública 2001; 17:273-84.

GRAHAM, L. Organização social e cerimoniais. Disponível em: . Acesso em 15 de novembro de 2016.

LORENZI, H. MATOS, F. J. A. Plantas medicinais do Brasil: nativas e exóticas, Nova Odesa: Plantarum, 2002, 544 p.

MEDICINA TRADICIONAL INDÍGENA EM CONTEXTOS – ANAIS DA I REUNIÃO DE MONITORAMENTO. Luciane Ouriques Ferreira e Patricia Silva Osório (org.). Projeto Vigisus II/Funasa. Brasília: Fundação Nacional de Saúde, 2007. Disponível em: . Acesso em fevereiro de 2016.

MINISTÉRIO DA SAÚDE. MS elabora Relação de Plantas Medicinais de Interesse ao SUS.Agencia da saúde, 2008.Disponível em:< http://bvsms.saude.gov.br/bvs/sus/pdf/marco/ms_relacao_plantas_medicinais_sus_0603.pdf>. Acesso em março de 2016.

MORAIS, S. M et al. REVISTA BRASILEIRA DE FARMACOGNOSIA. Fortaleza: Sociedade Brasileira de Farmacognosia, v. 15, n. 2, abril/junho 2005. ISSN0102-695X. Disponível em: < http://www.scielo.br/pdf/rbfar/v15n2/v15n2a17.pdf>. Acesso em fevereiro de 2016.

RAVINDRA, N. K et al. The endophytic fungal complex of Catharanthus roseus (L.) G. Don. Disponível em : . Acesso em março de 2016.

SARTORI, C. M.;SANCHES, S. M. Levantamento etnobotânico de plantas medicinais

utilizadas pelo Grupo Guarani da Aldeia Krukutu, distrito de Parelheiros, São Paulo –S.P . 2008. Disponível em: . Acesso em fevereiro de 2016.

VIEGAS, C. J.;BOLZANI, V. S. Os produtos naturais e a química medicinal moderna. São Paulo: Instituto de Química, v. 29, n. 2, janeiro 2006. Disponível em: . Acesso em fevereiro de 2016.

ZENI,A. L. B.; BOSIO, F. Medicinal plants used in Atlantic Forest region, Southern of Santa Catarina Brazil. Disponível em: < http://www.rbfarma.org.br/ >. Acesso em 16 de setembro de 2016.

Xarope de Guaco: Mikania glomerata Sprenge [bula de medicamento na Internet]. Responsável técnico Gislaine B. Gutierrez. Paraná: Herbarium laboratório botânico. Disponível em: < http://www.herbarium.com.br/ >. Acesso em 07 de outubro de 2016.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.