USO DE PLANTAS MEDICINAIS NO CONTROLE DA HIPERCOLESTEROLEMIA

PATRÍCIA DE BRITO VILELA, BIANCA OLIVEIRA SILVA, PRISCILA DE SOUZA GOULART, DANIELLY RODRIGUES ARAUJO, ANNA LETTYCIA VIEIRA DOS SANTOS, AUREA DAMACENO ALVES

Resumo


(semente) contém uma excelente quantidade de aminoácidos em sua composição, cerca 70% do total do fruto. Objetivou-se avaliar a eficácia da farinha do caroço de abacate no combate da hipercolesterolemia. Deste modo, foi realizado estudo experimental com cinco indivíduos com níveis alterados de colesterol total. Todos consumiram a farinha e acompanhamento das refeições realizadas. Foi observada diminuição dos níveis de colesterol total a cada mês a partir da utilização da farinha. Alguns tiveram diminuição de até 50% dos níveis, conforme exames. Portanto, pode-se concluir que as plantas medicinais são grandes aliados da saúde humana, e que a composição desse caroço rico em açúcares, proteínas, pectina e fibras trazem propriedades que de fato, ajudam na diminuição do colesterol, e pode sim regular os níveis de colesterol no organismo.


Texto completo:

PDF

Referências


ABEC – FACULDADES UNIDAS DO VALE DO ARAGUAIA. Elaborando Trabalhos Científicos – Normas para apresentação e elaboração. 3ª Edição Revista e Ampliada/ Univar – Faculdades Unidas do Vale do Araguaia. Barra do Garças/MT: Editora ABEC, 2015.

ALMEIDA, M. Z. Plantas medicinais. 3ª edição – Salvador: EDUFBA, 2011. 221p.

BERGMANN, M. L. et al. Perfil lipídico, de aptidão cardiorrespiratória, e de composição corporal de uma amostra de escolares de 8ª série de Canoas/RS. Rev Bras Med Esporte. v. 14, n. 1, 2008.

CARDOSO, A. M.; MATTOS, I. E.; KOIFMAN, R. J. Prevalência de fatores de risco para doenças cardiovasculares na população Guarani-Mbyá do estado do Rio de Janeiro. Cad. Saúde Pública, v.17, n. 2, 2001.

CODEX ALIMENTARIUS COMMISSION-FAO/WHO.Codex alimentatarius, Fats, Oils

COMMITTEE ON DIET AND HEALTH. Diet and health implications for reducing chronic discase risk. Nacional academy Press, Washington Dc. 2007.

DEWICK, P. M. Medicinal natural products: a biosynthetic approach. JohnWiley & Sons: New York, 1997.

DORES, R. G. R.; REHDER, V. L. G.; DUARTE, M.C.T. Validação do uso popular de alguns extratos e óleos essenciais medicinais. Informe agropecuário, Belo Horizonte, v. 31 n. 255 p.40-46, 2010.

ESMINGER, A. H. Food for Health: A nutrition encyclopedia. Institut International du Froid, Paris (France), 1986.

FERRARI, R. A.; COLUSSI, F.; AYUB, R. A. Caracterização de subprodutos da industrialização do maracujá- aproveitamento das sementes. Revista Brasileira de Fruticultura, v. 26, p. 101-102, 2004.

HENDRIKS, H. F. J. Spreads enriched with three different levels of vegetables oil sterols and the degree of cholesterol lowering in normocholesterolemic and midly hypercholesterolemic subjects. European Journal of Clinical Nutrition, v. 53, n. 4, p. 319-327, 1999.

HU, F. B. Plant-based foods and prevention of cardiovascular disease: an overview. The American Journal of Clinical Nutrition, v. 78, n. 3, p. 544-551, 2003.

KEYS, A. et al. Serum cholesterol response to changes in the diet. Metabolism, v. 14, p. 747-87, 1965.

LOTTENBERG, A. M. P. et al. Eficiência dos ésteres de fitoesteróis alimentares na redução dos lípides plasmáticos em hipercolesterolêmicos moderados. Arquivos Brasileiros de Cardiologia, v. 79, n. 2, p. 139-142, 2002.

MAGALHÃES, C. C.; CHAGAS, A. C. P.; LUZ, P. L. Importância do HDL-colesterol como preditor de risco para eventos cardiovasculares. Revista da Sociedade de Cardiologia do Estado de São Paulo, v. 12, n. 4, p. 560-568, 2002.

MCCRINDLE, B. W. C.; MANLHIOT, C. Elevalet atherogenic lipoproteins in childhood Risk, prevention and treatment . Journal of clinical Lipidology, v. 2, n. 3, p.138-46, 2008.

MINISTÉRIO DA SAÚDE, SECRETARIA DE VIGILÂNCIA EM SAÚDE. Perfil de mortalidade do brasileiro. 2010. Disponível em:< http://portal.saude. gov.br/portal/arquivos/pdf/coletiva_saude_061008.pdf>. Acesso em: fevereiro de 2016.

OLIVEIRA, M. A. et al. Ceras para conservação pós-colheita de frutos de abacateiro cultivar Fuerte, armazenados em temperatura ambiente. Scientia Agrícola, Piracicaba, 2000, v.57, p.777-780.

OLIVEIRA, R. B et al .Avaliação dos efeitos depressores centrais do extrato etanólico das folhas de Synadeniumum bellatum Pax. e de suas frações em camundongos albinos. Revista Brasileira de Ciências Farmacêuticas, v.44, n. 3, 485-491, jul./set. 2008.

PEREIRA, J. B. B.; REZENDE, L. V. Caracterização de extratos hidroetanólicos de

semente de Persea Americana M. (abacateiro). Monografia. Universidade Federal de

Alfenas, Alfenas, 2007.

SALGADO, J. M. et al. Efeito do abacate (Persea americana Mill) variedade hass na lipidemia de ratos hipercolesterolêmicos. Ciênc. Tecnol. Alim., v.28, n. 4, p. 922-928, 2008.

SALGADO, J. M. et. Al. O óleo de abacate (Persea americana Mill) como matéria-prima para a indústria alimentícia. Ciência e Tecnologia de Alimentos, Campinas, v.28, p.20-26, 2008.

SANTIAGO, L. M. et al. Hypercholesterolemia and associated cardiovascular risk factor in young children and adolescents. Revista Portuguesa de Cardiologia, v. 21, n. 3, p. 301-13, 2002.

SILVA, R. D. A.D. et al. Estudo do perfil lipídico em crianças e jovens do ambulatório pediátrico do Hospital Universitário Antônio Pedro associado ao risco de dislipidemias. Jornal brasileiro de patologia e medicina laboratorial, v. 43 p.95-101, 2007.

SOONG, Y; BARLOW, P. J. Antioxidant activity and phenolic content of selected fruit seeds. Food Chemistry, Barking, v. 88, n. 3, p. 411-417, 2004.

TANGO, J. S.; CARVALHO, C. R. L.; SOARES, N. B. Caracterização física e química de frutos de abacate visando a seu potencial para extração de óleo. Revista Brasileira de Fruticultura, Jaboticabal, v.6, n.1, p.17-23, 2004.

VALENZUELA, B. A.; GARRIDO, G. A. Os fitoesteróis: agentes hipocolesterolêmicos naturais de origem não farmacológica. Revista Chile Nutrition, v. 27, n. 2, p. 220-225, 2000.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.