MAMACADELA: A CURA DO VITILIGO ESTÁ NO CERRADO

PRISCILA DE SOUZA GOULART, DANIELLY RODRIGUES ARAUJO, BIANCA OLIVEIRA SILVA, PATRÍCIA DE BRITO VILELA, AUREA DAMACENO ALVES, ANNA LETTYCIA VIEIRA DOS SANTOS

Resumo


O vitiligo é uma doença na qual ocorre a perda natural da pigmentação da pele, ocasionando manchas brancas. No entanto, a mamacadela, planta medicinal do cerrado possui furanocumarinas tais como, psoraleno e o bergapteno, que associados ao uso de vitaminas A, B1 e B6 agem sobre as melanócitos, transmitindo estímulo da luz solar, promovendo assim, a repigmentação da área lesionada. O objetivo deste trabalho é ampliar o conhecimento acerca do vitiligo e sua possível cura com o uso da mamacadela, tendo em vista uma melhor qualidade de vida aos portadores desta patologia. O método de pesquisa é documental, no qual foram avaliadas vinte pessoas de ambos os sexos, idade entre 20 e 60 anos todos portadores de vitiligo, que fizeram o uso tópico ou oral da mamacadela apresentando repigmentação da área afetada. Pode-se concluir que as propriedades farmacológicas da mamacadela promovem a repigmentação da área afetada por vitiligo por apresentar capacidade fotossensibilizante.


Texto completo:

PDF

Referências


ABEC – FACULDADES UNIDAS DO VALE DO ARAGUAIA. Elaborando Trabalhos Científicos – Normas para apresentação e elaboração. 3º Edição Revista e Ampliada/ Univar – Faculdades Unidas do Vale do Araguaia. Barra do Garças/ MT: Editora ABEC,2015.

ALMEIDA, S. et al. Cerrado: espécies vegetais. Planaltina: EMBRAPA-CPAC, 1998. 464p.

ANTELO, D. P. Vitiligo: análise de marcador linfocitário e do antígeno cutâneo linfocitário (CLA). Rio de Janeiro: UFRJ / Faculdade de Medicina, 2006.

BALOGH, T. S. et al. Proteção à radiação ultravioleta: recursos disponíveis na atualidade em fototerapia. Anais Brasileira de Dermatologia. v.86,n.4, p.732-742, 2011.

BERKOW, R. Distúrbios da pigmentação. Manual Merck de informação médica. São Paulo. Cap. 206, p.1068-1069, 2002.

BOMFIM, R. A. et al. luta de quem é portador de vitiligo. Primeira Pauta. Disponível em: http://primeirapauta.jor.br. Acesso em abril de 2016.

BRASIL. Agência Nacional de Vigilância Sanitária. Formulário de Fitoterápicos da Farmacopéia Brasileira/ Agência Nacional de Vigilância Sanitária. Brasília: ANVISA, 2011.

CAFFIERI, S. Photosensitizing furocoumarins:photocycloaddition to insatured fatty acids. In: ProceedingsInternational Congress “Psoralens 1989”, 1989.

CLAS, S. D.et al. Differential Scanning Calorimetry: application in drug development. PSTT. v. 2, 1999.

CONCEIÇÃO, E. C. Propriedades de planta do cerrado para tratamento do vitiligo. UFG. Disponível em . Acesso em 17 de abril 2016.

FARIA, A. R. et al. Vitiligo. Part 2 - classification, histopathology and treatment. An Bras Dermatol, vol. 89, p.784-90, 2015.

JACOMASS, E. et al. Morfoanatomia e histoquímica de órgãos vegetativos e reprodutor de Brosimum gaudichaudii Trécul (Moraceae). Acta Botânica Brasilica, v.21, n.3, 2006.

LEÃO, A. R. et al. Avaliação clínica toxicólogica preliminar do viticromin em pacientes com vitiligo. Revista Eletrônica de Farmácia. v.2, p. 15-23, 2005.

LIU, J. B. et al. Clinical profiles of vitiligo in China: an analysis of 3742 patients. Clin Exp Dermatol, v.30, p.31, 2005.

LORENZI, H.; MATOS, J. A. Plantas medicinais no Brasil: nativas e exóticas cultivadas. 2. ed. Nova Odessa: Instituto Plantarum, 2009. 520 p.

LUIZ, M. et al. Estudo cienciométrico e etnobotânico sobre uma planta medicinal do cerrado mamacadela. Revista de Biologia e Farmácia. v. 7, n.2, p.119-134,2012.

MACEDO, M. et al. Plantas medicinais usadas para tratamentos dermatológicos, em comunidades da Bacia do Alto Paraguai, Mato Grosso. Revista Brasileira de Farmacognosia. v.14, n. 1, p. 40-44, 2004.

MARANCA, G. Fruticultura comercial: manga e abacate. 3.ed. São Paulo: Nobel, 1978.

MARTINS, E. R. et al. Plantas Medicinais. 5º Reimpressão. Viçosa. Universidade Federal de Viçosa, 2003. 220 p.

MACHADO, R. B. Caracterização da fauna e flora do Cerrado. In Savanas - desafios e estratégias para o equilíbrio entre sociedade, agronegócio e recursos naturais. Embrapa Cerrados, Brasília, p. 285-302, 1986.

MARTINS, E. R. et al. Plantas Medicinais. 5º Reimpressão. Viçosa. Universidade Federal de Viçosa, 2003, 220 pgs.

MURA, P.et al. Differential Scanning Calorimetry as a screening technique in compatibility studies of DHEA extended release formulations. Journal of pharmaceutical and biomedical analysis. v. 42, p. 3-10, 2006.

NEVES, M. L. P. et al.Ensaio para detectar bergapteno na casca e no caule de Brosimum gaudichaudii Trec através da produção de melanina em actinomicetos. Departamento de Antibióticos, Universidade Federal de Pernambuco, Recife. Revista Brasileira de farmacognosia, v.12, p.53-54, 2002.

NOGUEIRA, L.S.C. et al.Vitiligo e emoções.An Bras Dermatol. v. 84, n.1, p.39-43, 2008.

POZETI, G. L. Brosimum gaudichaudi Trecul (Moraceae): da planta ao medicamento. Rev. Ciênc. Farm. Básica Apl. V. 26, p.159-166, 2005.

RODRIGUES, V. E. G. et al. Levantamento etnobotanico de pantas medicinais no dominio do cerrado na região do Rio Grande. Agrotec, v.25, p.102-123, 2001.

ROCHA, T. C. Estudo de furanocumarina de Brosimum gaudichaudii Trécul.v.1, p.1-81, 2012.

SILVA, C. M. R. et al. Vitiligo na infância: características clínicas e epidemiológicas. Revista Anais Brasileiros de Dermatologia. Universidade Federal de Minas Gerais, v. 82, n.1, 2006.

SILVA, J. D. T. et al. Uma integração teórica entre psicossomática, stress e doenças crônicas de pele. Revista Estudos de Psicologia. Campinas, v. 24, n. 2, abr./jun 2007.

SILVA, R. F. et al. Estratégias para conservação e manejo de recursos genéticos de plantas medicinais e aromáticas. Brasília, p.59, 2002


Apontamentos

  • Não há apontamentos.