LEVANTAMENTO DE CASOS DA SINDROME DO CORRIMENTO URETRAL E CERVICAL DE CONFRESA - MT

ANA THAIS BATISTA LOPES, ALEXSANDRA RIBAS DOS SANTOS PEREIRA, AUREA DAMACENO ALVES, ANNA LETTYCIA VIEIRA DOS SANTOS, RANIANA CECÍLIA FRATARI QUEIROZ

Resumo


As síndromes do corrimento uretral e cervical são causadas por agentes etiológicos e podem ser transmitidos por meio de relações sexuais vaginal, anal e oral. As uretrites são infecções que acometem a uretra, provocados por germes transmitidos durante o ato sexual. Objetivou-se a verificação da prevalência por meio de dados de notificação da síndrome do corrimento uretral e cervical, e a identificação através do questionário verificar o conhecimento da população. A metodologia utilizada foi baseada em coleta de dados através do Sistema Nacional de Informações de Agravos de Notificação e para a coleta de dados a aplicação de questionários nos Programa de Saúde da Família no mês de julho de 2016. Os dados mostram aumento considerável de notificações no último ano. Com isso deve-se procurar realizar mais campanhas de prevenção na população de Confresa – MT, afim de maior esclarecimento, buscando a diminuição dessa síndrome. 


Texto completo:

PDF

Referências


ABEC – FACULDADES UNIDAS DO VALE DO ARAGUAIA. Elaborando Trabalhos Científicos – Normas para apresentação e elaboração. 3ª Edição Revista e Ampliada/ Univar – Faculdades Unidas do Vale do Araguaia. Barra do Garças/MT: Editora ABEC, 2015, p.15-18.

ARAUJO, M. A. L. et. al. Doenças sexualmente transmissíveis atendidas em unidade primária de saúde no Nordeste do Brasil. 2015. Disponível em:

BEHETS, F. M-T.F.; MILLER, W. C.; COHEN, M. S. Syndromic treatment of gonococcal and chlamydial infections in women seeking primary care for the genital discharge syndrome: decision-making. Disponível em: . Acesso em: 15 de outubro de 2016.

BHAVSAR, C.; PATEL, R. M.; MARFATIA, Y. A study of 113 cases of genital ulcerative disease and urethral discharge syndrome with validation of syndromic management of sexually transmitted diseases. Disponível em: < https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pmc/articles/PMC4066595/>. Acesso em : 15 de outubro de 2016.

CARVALHO, A. F. N. et al. Prevalência de cistite, vaginites e vaginose bacteriana em mulheres climatéricas e não climatéricas. Disponível em: . Acesso em 10 de março de 2016.

CONITEC (Comissão Nacional de Incorporação de Tecnologia no SUS). Protocolo Clínico e Diretrizes Terapêuticas Infecções Sexualmente Transmissíveis. Disponível em: . Acesso em 01 de março de 2016.

COSTA, D. A. R. S. Estratégias de intervenção utilizadas por enfermeiros da ESF do município de Natal/RN no controle do câncer do colo de útero. Disponível em: . Acesso em 10/10/2016.

FOCACCIA, R. Tratamento de infectologia. 4º edição revista e atualizada, São Paulo, Editora Atheneu, pg. 826, 2009.

FONSECA, T. M. M. V. Processo educativos emergentes da relação médico-paciente sobre DST e a autopercepção de risco entre gestantes. Disponível em: . Acesso em 13 de março de 2016.

LIMA, T M. et al. Corrimentos vaginais em gestantes: comparação da abordagem sindrômica com exames da prática clínica da enfermagem. Disponível em: < http://www.scielo.br/scielo.php?pid=S0080-62342013000601265&script=sci_arttext&tlng=es#aff1>. Acesso em: 12 de setembro de 2016.

MINISTÉRIO DA SAÚDE. Protocolo clínico de diretrizes terapêuticas (PCDT). Atenção integral ás pessoas com infecções sexualmente transmissíveis (IST). Disponível em: < http://www.hc.ufpr.br/arquivos/07340_protocolo_clinico_e_diretrizes_terapeuticas_pcdt.pdf>. Acesso em 29 de Fevereiro de 2016.

MINISTERIO DA SAUDE. Diagnostico laboratorial de doenças sexualmente transmissíveis, incluindo o vírus da imunodeficiência humana. Disponível em: < http://apps.who.int/iris/bitstream/10665/85343/7/9789241505840_por.pdf?ua=1>. Acesso em 01 de novembro.

RIOS, R. R. Avaliação do conhecimento sobre abordagem sindrômica por enfermeiros da Estratégia Saúde da Família de Goiânia – GO. Disponível em: . Acesso em: 12 de setembro de 2016.

RODRIGUES, L. M. C. et al. Abordagem às doenças sexualmente transmissíveis em unidades básicas de saúde da família. 2011. Disponível em: . Acesso em 09 de março de 2016.

RONCONI, A. R. B.; JEUKENS, M. M. F. Doenças sexualmente transmissíveis: considerações sobre o diagnóstico sindrômico e laboratorial da Chlamydia. Disponível em: . Acesso em 09 de março de 2016.

SECRETARIA MUNICIPAL DE SAÚDE. Guia de Referência Rápida. Doenças Sexualmente Transmissíveis. Disponível em: . Acesso em 29 de março de 2016.

SILVA, A. F. A. Infecções Sexualmente Transmissíveis em utentes que recorrem à consulta de DST no Centro de Saúde da Lapa: Relação entre Conhecimentos, Atitudes e Práticas de prevenção e a prevalência de Infecções Sexualmente Transmissíveis. Disponível em: < https://run.unl.pt/handle/10362/14027>. Acesso em: 04 de setembro de 2016.

VARELLA, D. Uretrites. Disponível em: . Acesso em 18 de março de 2016.

WILSON, W. R. et. al. Doenças Infecciosas: diagnóstico e tratamento. Porto Alegre, Editora Artmed, 2004.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.