ACOMPANHAMENTO FARMACOTERAPÊUTICO DE PACIENTES RENAIS CRÔNICOS DO INSTITUTO DE NEFROLOGIA DO ARAGUAIA

ADRIELE RODRIGUES BARROS, FERNANDO ALMEIDA LIMA, ANNA LETTYCIA VIEIRA DOS SANTOS

Resumo


A Doença Renal Crônica refere-se à perda gradual e irreversível das funções renais, que, pode ser intensificada por fatores controláveis, como o uso inadequado de medicamentos.  A maioria dos pacientes renais crônicos são acometidos por comorbidades, sendo necessária a utilização de diversas classes medicamentosas, justificando assim, a inclusão do profissional farmacêutico na equipe multidisciplinar para o acompanhamento do paciente renal crônico, implementando a atenção farmacêutica necessária. O estudo tem por objetivos, proporcionar o acompanhamento farmacoterapêutico, demonstrar a importância do profissional farmacêutico inserido na equipe multidisciplinar de pacientes renais crônicos, promover a Atenção Farmacêutica por meio do método Dáder e conscientizar o uso racional de medicamentos. Este artigo trata-se de uma pesquisa exploratória por levantamento, na qual foi realizado o acompanhamento farmacoterapêutico de 15 pacientes submetidos à hemodiálise. Os resultados evidenciaram uma média de idade de 60,66 anos, e uma média de 8.3 medicamento/prescrição. Foram detectadas 31 interações medicamentosas, na qual 42% (13) foram classificadas como de gravidade maior, 51% (16) de gravidade moderada e 7% (2) de gravidade menor. Percebemos então, a importância e a necessidade da inserção do farmacêutico na equipe de saúde, visto que é o profissional habilitado para desempenhar o acompanhamento farmacoterapêutico.


Texto completo:

PDF

Referências


ABEC – FACULDADES UNIDAS DO VALE DO ARAGUAIA. Elaborando Trabalhos Científicos – Normas para apresentação e elaboração. 3ª Edição Revista e Ampliada/ Univar – Faculdades Unidas do Vale do Araguaia. Barra do Garças/MT: Editora ABEC, 2015.

AIZENSTEIN, M. L.; TOMASSI, M. H. Problemas relacionados a medicamentos; reações adversas a medicamentos e erros de medicação: a necessidade de uma padronização nas definições e classificações. Revista de Ciências Farmacêuticas Básica e Aplicada, São Paulo, v. 32, n. 2, p. 169-173, mar. 2011.

BISSON, M. P. Farmácia Clínica e Atenção Farmacêutica. 2ª ed., São Paulo: Manole, 2007.

DIMER, F. A. Avaliação dos níveis de hemoglobina glicada em pacientes com nefropatia

Diabética. 2010. Disponível em: http://ses.sp.bvs.br/lildbi/docsonline/get.php?id=1813. Acesso em: 01/10/2016.

FERNANDES, S. D.; RAVANHANI, V. P.; BERTONCIN, A. L. F. Uso de Medicamentos por Pacientes Renais Crônicos. Revista Brasileira de Farmácia, Rio de Janeiro, v. 90, n. 4, p. 327-333, nov. 2009.

FERRACINI, F. T.; BORGES FILHO, W. M. Prática Farmacêutica no Ambiente Hospitalar: do Planejamento à Realização. 2ª ed., São Paulo: Atheneu, 2010.

FRÁGUAS, G. O Enfrentamento da Nefropatia Diabética na Ótica da Família: Uma Abordagem na Perspectiva do Modelo Calgary de Avaliação na Família. 2007. Disponível em: http://www.enf.ufmg.br/pos/defesas/392M.PDF. Acesso em: 04/10/2016.

FRANCO, R. G.; FERNANDES, N. M. S. Diálise no paciente idoso: um desafio do século XXI – Revisão narrativa. 2013. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/jbn/v35n2/v35n2a09.pdf. Acesso em: 03/10/2016.

MACHUCA, M.; FERNÁNDEZ-LLIMOS, F.; FAUS, M. J. Método Dáder. Manual de acompanhamento farmacoterapêutico. 2004. Disponível em: . Acesso em: 18/03/2016.

MADALLOZO, J. C. B., et al. Acompanhamento Farmacêutico de Pacientes Insuficientes Renais que Realizam Hemodiálise na Nefromed. Revista Conexão UEPG, Paraná, v. 1, n. 1, p. 29-33, jan. 2006.

MARQUITO, A. B., et al. Interações medicamentosas potenciais em pacientes com doença renal crônica. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/jbn/v36n1/0101-2800-jbn-36-01-0026.pdf. Acesso em: 04/10/2016.

MASON, N. A. Polypharmacy and medication-related complications in the chronic kidney disease patient. 2011. Disponível em: https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/21788893. Acesso em: 04/10/2016.

NUNES, G. L. S. Fármacos e Rim. In: FUCHS, F. D.; WANNMACHER, L. Farmacologia Clínica: fundamentos da terapêutica racional. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan, 2012, P. 1198-1205.

OMS. Organização Mundial da Saúde. O papel do farmacêutico no sistema de atenção à saúde: Relatório do Grupo Consultivo da OMS: Nova Délhi, Índia: 13 – 16 de dezembro de 1988 + O papel do farmacêutico: assistência farmacêutica de qualidade: Benefícios para os governos e a população: Relatório da Reunião da OMS: Tóquio, Japão: 31 de agosto – 3 de setembro de 1993 + Boas práticas em farmácia (BPF) em ambientes comunitários e hospitalares / Organização Mundial da Saúde; Adriana Mituse Ivama (org); José Luis Miranda Maldonato (org). – Brasília: Organização Pan-Americana da Saúde: Conselho Federal de Farmácia, 2004.

RAMA, M. Assessment of Drug-Drug Interactions among Renal Failure Patients of Nephrology Ward in a South Indian Tertiary Care Hospital. 2012. Disponível em: https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pmc/articles/PMC3507347/. Acesso em: 02/10/2016.

REIS, H. P. L. C. Adequação da metodologia Dáder em pacientes hospitalizados com pé diabético: abordagem em atenção farmacêutica. 2005. 286f. Dissertação (Mestrado em Farmácia Clínica) – Universidade Federal do Ceará, Fortaleza, 2005.

ROMÃO JUNIOR, J. E. Doença Renal Crônica: Definição, Epidemiologia e Classificação. Jornal Brasileiro de Nefrologia. Disponível em: . Acesso em: 18/03/2016.

SOUSA, M. N. A., et al. Comorbidades de pacientes renais crônicos e complicações associadas ao tratamento hemodialítico. 2015. Disponível em: http://www.fiepbulletin.net/index.php/fiepbulletin/article/download/85.a1.130/10547. Acesso em: 01/10/2016.

SOUZA, P. M.; SANTOS, L. L.; SILVEIRA, C. A. N. Fármacos em idosos. 2011. Disponível em: http://www.toledo.pr.gov.br/intranet/ftn/docs/farmacosi.pdf. Acesso em: 02/10/2016.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.