PREVALÊNCIA DE HANSENÍASE NO MUNICÍPIO DE BARRA DO GARÇAS, ENTRE OS ANOS DE 2013 E 2016

ALESSANDRA BARROS DE ALMEIDA FRANCO, SUSANE SILVA SARTORI, EDSON FREDULIN SCHERER, PABLO HENRIQUE DELMONDES

Resumo


infectados que não estejam em tratamento para sadios. O Brasil está entre os países com mais casos e tem Mato Grosso como o estado de maior incidência. Assim, o objetivo deste estudo foi avaliar a prevalência de hanseníase em um Centro de Referência do município de Barra do Garças/MT. O estudo foi realizado através da coleta de dados em registros, dos anos de 2013 a 2016, arquivados no laboratório. Dos 1036 exames realizados, 40 apresentaram positividade para hanseníase, sendo que destes, 28 foram indivíduos do sexo masculino. Os indivíduos que apresentaram positividade possui idade que varia de 20 a 70 anos. O estudo foi de extrema importância para obtenção de um parâmetro da doença na região, podendo auxiliar as entidades publicas a tomarem as providencias adequadas.


Texto completo:

PDF

Referências


ARAÚJO, M. G. Hanseníase no Brasil. Revista da Sociedade Brasileira de Medicina Tropical, v. 36, n. 3, p. 373-382, 2003.

BRASIL. Ministério da Saúde. Secretaria de Políticas de Saúde. Caderno de Vigilância em Saúde. Brasília, DF, 2014.

CARNEIRO, V. C. F. C. Sistema de Monitoramento para o Acompanhamento da Hanseníase: Uma Tentativa de Integração Entre a Estratégia de Saúde da Família (ESF), Vigilância Epidemiológica e o Núcleo de Apoio a Saúde da Família (NASF). 2015. Dissertação Especialização em Gestão de Sistemas e Serviços de Saúde do Departamento de Saúde Coletiva, Centro de Pesquisas Aggeu Magalhães, Fundação Oswaldo Cruz, Recife.

CID, R. D. S. et al. Percepção de usuários sobre o preconceito da hanseníase. Rev Rene, v. 13, n. 5, p. 1004-1014, 2015.

DUARTE, M. T. C.; AYRES, J. A.; SIMONETTI, J. P. Socioeconomic and demographic profile of leprosy carriers attended in nursing consultations. Rev. Latino-Am. Enfermagem, v. 15, n. spe, p. 774-779, 2007.

DURAES, S. M. B. et al . Estudo epidemiológico de 107 focos familiares de hanseníase no município de Duque de Caxias - Rio de Janeiro, Brasil. An. Bras. Dermatol., v. 85, n. 3, p. 339-345, 2016.

IMBIRIBA, E. B. et al . Perfil epidemiológico da hanseníase em menores de quinze anos de idade, Manaus (AM), 1998-2005. Rev. Saúde Pública, v. 42, n. 6, p. 1021-1026, 2008.

LANA, F. C. F; CARVALHO, A. P. M.; DAVI, R. F. L. Perfil epidemiológico da hanseníase na microrregião de Araçuai e sua relação com ações de controle. Esc Anna Nery, v. 15, n. 1, p. 62-67, 2014.

MAGALHÃES, M. C. C. et al . Migração e hanseníase em Mato Grosso. Rev. bras. epidemiol., v. 14, n. 3, p. 286-397, 2014.

MARTINS, B. D. L.; TORRES, F. N.; OLIVEIRA, M. L. Impacto na qualidade de vida em pacientes com hanseníase: correlação do Dermatology Life Quality Index com diversas variáveis relacionadas à doença. An. Bras. Dermatol., v. 83, n. 1, p. 39-43, 2008.

MENDONCA, V. A. et al . Imunologia da hanseníase. An. Bras. Dermatol., v. 83, n. 4, 2008.

MIRANZI, S. S. C.; PEREIRA, L. H. M.; NUNES, A. A. Perfil epidemiológico da hanseníase em um município brasileiro, no período de 2000 a 2006. Revista da Sociedade Brasileira de Medicina Tropical, v. 43, n. 1, p. 62-67, 2016.

MONTEIRO, L. D. et al. Incapacidades físicas em pessoas acometidas pela hanseníase no período pós-alta da poliquimioterapia em um município no Norte do Brasil. Cad. Saúde Pública, v. 29, n. 5, p. 909-920, 2016.

MOREIRA, A. J. et al. Ação educativa sobre hanseníase na população usuária das unidades básicas de saúde de Uberaba-MG. Saúde Debate, v. 38, n. 101, p. 234-243, 2014.

MUNHOZ JUNIOR, S.; FONTES, C. J. F.; MEIRELLES, S. M. P. Avaliação do programa de controle da hanseníase em municípios mato-grossense, Brasil. Revista Saúde Pública, v. 31, n. 3, p. 282-287, 1997.

NARDI, S. M. T. et al. Deficiências após a alta medicamentosa da hanseníase:

prevalência e distribuição especial. Rev Saúde Pública, v. 46, n. 6, p. 969-977, 2015.

NUNES, J. M.; OLIVEIRA, E. N.; VIEIRA, N. F. C. Ter hanseníase: percepções de pessoas em tratamento. Rev. Rene, v. 9, n. 4, p. 99-106, 2008.

PIRES, C. A. A. et al. Hanseníase em menores de 15 anos: a importância do exame de contato. Rev Paul Pediatr., v. 30, n. 2, p. 292-295, 2015.

PONTE, K. M. A.; XIMENES NETO, F. R. G. Hanseníase: a realidade do ser adolescente. Rev Bras Enferm., v. 58, n. 3, p. 296-301, 2005.

PREVEDELLO, F. C.; MIRA, M. T. Hanseníase: uma doença genética? An Bras Dermatol., v. 82, n. 5, p. 451-459, 2007.

SILVA JUNIOR, Geraldo Bezerra da et al . Amiloidose e insuficiência renal crônica terminal associada à hanseníase. Revista da Sociedade Brasileira de Medicina Tropical, v. 43, n. 4, p. 474-476, 2016.

SCHMITT, F. C. Citologia aspirativa em doenças infecciosas. Rev. Soc. Bras. Med. Trop., v. 30, n. 3, p. 177-179, 1997.

SES/MT. Secretaria de Estado de Saúde de Mato Grosso: Saúde do Estado alerta população para ocorrências de Hanseníase. Disponível em Acesso: 21/08/2014.

SILVA, R. M. da et al . Análise espacial da endemia hansênica no município de Bayeux (PB) mediante técnicas de SIG. Soc. nat., v. 24, n. 2, p. 345-358, 2015.

SOUSA, A. A. et al. Adesão ao tratamento da hanseníase por pacientes acompanhados em unidades básicas de saúde em Imperatriz-MA. Sonare, v.12, n.1, p. 06-12, 2016.

SOUZA, F. C. et al . Estudo comparativo entre reação de Mitsuda e antígenos leucocitários humanos em pacientes hansenianos. Revista da Sociedade Brasileira de Medicina Tropical, v. 40, n. 2, p. 188-191, 2007.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.