IMPORTÂNCIA DO CONHECIMENTO CLÍNICO E BIOLÓGICO SOBRE A DOENÇA DE CHAGAS ENTRE ACADÊMICOS DO CURSO DE ENFERMAGEM

GRASIELE ALVES GALVÃO, LETÍCIA PINHO GOMES, THAÍS PERES CÂMARA, ROSEMEIRE CONCEIÇÃO BARBOZA PALMA DA SILVA, MARCUS VINICIUS MARIANO NASCIMENTO

Resumo


A Doença de Chagas é uma zoonose com alto grau de morbimortalidade e elevado custo social, e está intimamente relacionada com situações de subdesenvolvimento. Informação e educação acerca do ciclo biológico, mecanismo de transmissão e profilaxia são fundamentais para o controle desta infecção. Considerando o perfil assistencial do profissional de enfermagem e o risco de transmissão desta patologia em Barra do Garças, torna-se indispensável a abrangência desta patologia no universo de estudo da graduação de enfermagem. Portanto, este trabalho avaliar o conhecimento dos estudantes de enfermagem sobre a doença e os fatores a ela relacionados. Para o desenvolvimento deste estudo foi feito uma pesquisa de campo envolvendo acadêmicos do 4º e 5º ano de Enfermagem, por meio de um questionário semiestruturado com perguntas associadas aos aspectos clínicos e biológicos da Doença de Chagas.  

Texto completo:

PDF

Referências


ABEC - ASSOCIAÇÃO BARRAGARCENSE DE EDUCAÇAO E CULTURA – UNIVAR –FACULDADES UNIDAS DO VALE DO ARAGUAIA: Elaborando Trabalhos Científicos- Normas para apresentação e elaboração /UNIVAR- Faculdades Unidas do Vale do Araguaia. Barra do Garças- MT. Editora ABEC, 3ª ed,2015.

ARGOLO; A.M., et al. Doença de Chagas e seus principais vetores no Brasil.Rio de Janeiro: Imperial Novo Milênio,2008

ANDRADE; O.A., et al. Risk of domiciliation of Triatoma williami Galvão, Souza e Lima, 1965 in a municipality of Brazilian Legal Amazon region. Asian Pacific J. Trop. Dis. 2: S265–S267, 2012.

ARAS, Roque; GOMES, Irênio.; VEIGA, Marielza.; MELO, Ailton. Transmissão vetorial da doença de Chagas em Mulungu do Morro, Nordeste do Brasil. Rev. da Sociedade Brasileira de Medicina Tropical, v. 36, n° 3, p. 359-363. 2003.

ARAÚJO, Sandra Mauro Martins. Doença de Chagas. Cetrus. Ed. 52.2014.

ARRAIS-SILVA Wagner Welber, et al. First report of occurrence of Triatoma williami Galvão, Souza e Lima, 1965 naturally infected with Trypanosoma cruzi Chagas, 1909 in the State of Mato Grosso, Brazil. Asian Pacific J. Trop. Dis. 1: 245–246, 2011.

ARRUDA, Ives da Cunha. Doença de Chagas. Monografia - Centro Universitário de Brasília / Faculdade de Ciências da Saúde / Licenciatura em Ciências Biológicas, 36p. Brasília, 2003.

BOZELLLI, Carlos Eduardo et al. Perfil clínico-epidemiológico de pacientes com doença de Chagas no Hospital Universitário de Maringá, Paraná, Brasil. Cad. Saúde Pública, Rio de Janeiro, 22(5):1027-1034, mai, 2006.

BRASIL. Conselho Nacional de Saúde. Comissão Nacional de Ética em pesquisa. Resolução nº 466, de 12 de setembro de 2012, Diretrizes e normas regularmente de pesquisa envolvendo seres humanos. Brasília (DF) 2012.

BRENER, Z. et al. Trypanosoma Cruzi e Doença de Chagas. Rio de Janeiro; Guanabara Koogan, 2000.

CARVALHO MAR.. Entre a cultura heroica e a cultura democrática, presença. São Paulo, 1991.

CIMERMAN; Benjamim, CEMERMAN; Sergio. Parasitologia Humana e seus Fundamentos Gerais. 2º ed. São Paulo: editora Atheneu, p. 81-112, 2008.

CAMPEDELLI; M.C., et al. Processo de Enfermagem na Prática. 2. ed. São Paulo: Ática, 2000.

COELHO, Aline Rezende Baldanza. Tripanossomíase Americana: uma revisão com ênfase na Medicina Veterinária. Monografia – Universidade de Brasília / Faculdade de Agronomia e Medicina Veterinária, 27 p. Brasília, 2013.

COLOSIO, Renata Cappellazzo, et al. Conhecimentos e atitudes sobre a doença de chagas. V.6, 2007.

COSTA; Milce, et al. Doença de chagas: uma revisão bibliográfica. Ceres, 2009. Entre profissionais de saúde – Paraná, Brasil. Cienc Cuid Saude ;6 (Suplem. 2):355-363,2007.

Dias, J.C.P, et al. Mecanismo de transmissão. In, Trypanosoma cruzy e doença de chagas. Rio de Janeiro, p 34. 1975.

DIOTAIUTI, L.; AZEREDO, B.V.; BUSEK, S.C.; FERNANDES, A.J. Controle de Triatoma sordida em ambiente peridoméstico no Município de Porteirinha, Minas Gerais, Brasil. Revista Panamericana de Salud Pública 3. Washington, D.C.: Organización Panamericana de La Salud, p. 21-25.1998

FERREIRA, Renata Trotta Barroso et al. Transmissão oral da doença de Chagas pelo consumo de açaí: um desafio para a Vigilância Sanitária. Artigo doi: 10.3395/vd.v2i4.358.

FORATTINI, O.P. Biogeografia, origem e distribuição da domiciliação de triatomíneos no Brasil. Revista de Saúde Pública 14. São Paulo: Faculdade de Saúde Pública da Universidade de São Paulo, p. 265-299. 1980

MAZZA S, Cássio R, Zucardi .El Primer caso agudo de enfermedad de Chagas comprobado em Tucumán y su tratamiento com Bayer 7602. Misión de Estudios de Patologia Regional (MEPRA) 32: 3-18, 1937

MOTA, Daniela Cristina Grégio d’Arce et al. Estresse e resiliência em doença de Chagas. Aletheia . n.24, pp. 57-68. ISSN 1413-0394. 2006

NEVES, D. P.;et al.Parasitologia Humana. 11ª. São Paulo: Atheneu. 2005

ORGANIZAÇÃO MUNDIAL DA SAÚDE. Primeiro relatório da OMS sobre doenças tropicais negligenciadas: Avanços para superar o impacto global de doenças tropicais negligenciadas. ISBN 978-92-75-71672-4. 2012.

PINTO, A.Y.N; et al. Doença de chagas aguda grave autoctome da Amazoia brasileira, Braz. J Infc Dis, 6: 458-464, 2004.

SILVEIRA, Antonio Carlos; DIAS, João Carlos Pinto. O controle da transmissão vetorial. Rev. História sobre a Doença de Chagas no Brasil, v. 44, supl. II, p. 52-63, 2011

SCHOFIELD CJ. Population dynamics and control of Triatoma infestans. Ann Soc Belg Med Trop 65: 149-164. 1985.

VERONESI, Ricardo; FOCACCIA, Roberto. Tratado de Infectologia. São Paulo. Editora Atheneu, p 575-581. 1996.

VINHAES, Marcio Costa; DIAS, João Carlos Pinto. Doença de Chagas no Brasil. Cad. Saúde Pública, Rio de Janeiro, 16(Sup. 2):7-12, 2000.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.