AVALIAÇÃO DO ATENDIMENTO HUMANIZADO EM UMA UNIDADE DE TERAPIA INTENSIVA

SÂMARA LOPES MACHADO, STEPHANIA LUZ POLETO

Resumo


O presente trabalho abordou o atendimento humanizado em uma Unidade de Terapia Intensiva - UTI, tendo como objetivo norteador avaliar a assistência prestada pelos enfermeiros e sua equipe, junto ao paciente e seus familiares. A pesquisa foi realizada em um Hospital da região do Vale do Araguaia-MT, onde a coleta de dados semiestruturada foi realizada com questionário e formulário aplicado a enfermeiros e familiares, respectivamente. Os resultados apontaram que 54% dos familiares não reconhecem o enfermeiro da UTI e 46% conseguem identifica-los. Uma maior segurança dos familiares para com os pacientes é influenciada pela melhoria das relações interpessoais entre os mesmos. Demostraram possuir o conhecimento do atendimento integral, mas podem melhorar na oferta do serviço e sugerem medidas para melhoria da qualidade da assistência ofertada.


Texto completo:

PDF

Referências


Elaborando Trabalhos Científicos – Normas para apresentação e elaboração/UNIVAR- Faculdades Unidas do Vale do Araguaia. 3ª ed. Barra do Garças (MT): Editora ABEC, 2015.

BECCARIA, L. M. et al. Visita em Unidade Terapia Intensiva: concepção dos familiares quanto a humanização do atendimento. Arquivo Ciência e Saúde, [s.l], v. 15, n. 2, p. 65-69, abr./jun., 2008.

BOLELA, F.; JERICÓ, M. de C. Unidades de Terapia Intensiva: Considerações da literatura acerca das dificuldades e estratégias para sua humanização. Escola Anna Nery, Rio de Janeiro, v. 10, n. 2, 2006.

BOZZA, Fernando Augusto; MACEDO, Luiz Gerson. PROAMI: Programa de Atualização em Medicina Intensiva. Ciclo 11, v.1, p.9 Porto Alegre: Artmed, 2013.

BRASIL, Conselho Nacional de Saúde. Resolução n 466 de 12 de dezembro de 2012. Disponível em: http://conselho.saude.gov.br/resolucoes/2012/Reso466.pdf. Acesso em junho de 2016.

BRASIL. HumanizaSUS: Política Nacional de Humanização. Ministério da Saúde, Secretaria Executiva. Brasília – DF, 2004. Disponível em: < http://adcon.rn.gov.br/ACERVO/sesap/DOC/DOC000000000125646.PDF>. Acesso em: 18 abr.2016.

BRASIL. PNH: Política Nacional de Humanização. 1ª Edição 1ª Reimpressão. Brasília – DF, 2013. Disponível em: < http://bvsms.saude.gov.br/bvs/publicacoes/politica_nacional_humanizacao_pnh_folheto.pdf>. Acesso em: 18 abr. 2016.

CARLOS, C. de L.; RODRIGUES, C. de M. C.; SOUZA, G. de F. Humanização na unidade de terapia intensiva: enfermeira, paciente e família. Revista Brasileira de Ciências da Saúde, [S.l], n. 3, jan./jun., 2004.

COSTA, S. C.; FIGUEIREDO, M. R. B.; SCHAURICH, D. Humanização em Unidade de Terapia Intensiva Adulto (UTI): compreensões da equipe de enfermagem. Interface (Botucatu), [s.l.], v. 13, p.571-580, 2009.

DOMINGUES, I. C.; SANTINI, L.; SILVA, V. E. F. da. Orientação aos familiares em UTI: dificuldades ou falta de sistematização?. Revista da Escola de Enfermagem USP, [s.l], v. 33, n. 1, p.39-48, mar.1999.

FÉLIX, T. A., et al. Prática da Humanização na Visita em Unidade de Terapia Intensiva. Revista de Enfermagem Contemporânea, [s.l], v. 3, n. 2, p. 143-153, dez. 2014.

FERREIRA , P. D.; MENDES, T. N. Família em UTI: importância do suporte psicológico diante da iminência de morte. Revista da Sociedade Brasileira de Psicologia Hospitalar, Rio de Janeiro, v. 16, n. 1, jun. 2013.

FRIZON, G. et all. Familiares na sala de espera de uma unidade terapia intensiva: sentimentos revelados. Revista Gaúcha de Enfermagem, Porto Alegre, v. 32, n. 1, mar. 2011.

GOLDMAN, Lee; AUSIELLO, Dennis. CECIL: Tratado de Medicina Interna. 23ª ed. Rio de Janeiro: Elsevier, 2009.

MALTA, M. A.; NISHIDE, V. M. Enfermagem em Unidade de Terapia Intensiva: Retrospectiva histórica, 1997. Disponível em: < http://www.hospvirt.org.br/enfermagem/port/uti-retrosp.htm>. Acesso em: 24 jun. 2016.

MARUITI, M. R.; GALDEANO, L. E. Necessidades de familiares de pacientes internados em unidade de cuidados intensivos. Acta Paulista de Enfermagem, São Paulo, v. 20, n.1, jan./mar., 2007.

MENDES, T. N. C. UTI – Passado, presente e futuro, Centro de Estudos Superiores de Itapecuru-Mirim CESIM, 2010. Disponível em: . Acesso em: 24 jun. 2016.

PASSOS, S. S. S.; et al. O acolhimento no cuidado á família numa unidade de terapia intensiva. Revista de Enfermagem UERJ, Rio de Janeiro, v. 23, n. 3, p. 368-374, mai./jun. 2015.

PINHO, L. B. de ; SANTOS, S. M. A. dos. Dialética do cuidado humanizado na UTI: contradição entre o discurso e a prática profissional do enfermeiro. Revista Escola de Enfermagem USP, [S.l], v. 42, n. 1, p. 66-72, 2008.

RODRIGUES, A. P. L. M. et al. O papel do enfermeiro na humanização da assistência ao paciente da Unidade de Terapia Intensiva. Enfermagem Brasil, [s.l], v. 12, n. 5, 2013.

SANTOS, K. M. A. B. dos; SILVA, M. J. P. da. Percepção dos profissionais de saúde sobre a comunicação com os familiares de pacientes em UTIs. Revista Brasileira de Enfermagem, [S.l], v.59, n.1, p. 61-66, jan./fev. 2006.

SILVA, M. J. P. da. Humanização em Unidade de Terapia Intensiva. In: CINTRA, E. de A.; NISHIDE, V. M.; NUNES, W. A. Assistência de Enfermagem ao Paciente Gravemente Enfermo, 2.ed. São Paulo: Atheneu, 2008. Cap.1, p. 01-11.

SILVEIRA, R. E. da; CONTIM, D. Educação em saúde e prática humanizada da enfermagem em unidade de terapia intensive: estudo bibliométrico. Revista de Pesquisa Cuidado e Fundamental Online, [s.l.], v.7, n.1, p.2113-2122, jan./mar., 2015. Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro, 2015.

URIZZI, F; CORRÊA, A. K. Vivencias de familiares em Terapia Intensiva: o outro lado da internação. Revista Latino-Americana Enfermagem, São Paulo, v. 15, n. 4, jul./ago. 2007.

VARGAS, D. de; BRAGA, A. L. O enfermeiro de Unidade de Tratamento Intensivo: Refletindo sobre seu papel. FAFIBE, 2006. Disponível em: . Acesso em: 24 jun. 2016.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.