A INSERÇÃO, OS DESAFIOS E EXPECTATIVAS DOS INDÍGENAS NO ENSINO SUPERIOR

ANDERSON ASSIS DE FARIA, ELEN GUIMARÃES SOUZA SIMMONDS, VERA LUCIA MACEDO DE OLIVEIRA TEIXEIRA

Resumo


A inserção do indígena no ensino superior é um grande desafio de nossa atualidade, pois questões de cunho pedagógico, cultural e até mesmo financeiro dificultam a entrada, permanência e conclusão do curso do ensino superior. Neste contexto, o presente trabalho objetiva traçar um perfil do indígena no ensino superior, focando em suas necessidades financeiras, dificuldades no aprendizado e expectativas futuras. Para isso foi aplicado um questionário com perguntas abertas enfocando os aspectos anteriormente citados. Após a coleta dos dados os resultados apresentaram o perfil de indígenas Xavantes, do gênero masculino e com idade média de 28 anos. Dentre as dificuldades financeiras, a falta de recursos para a alimentação e estadia prevalece como a principal necessidade. Já na questão pedagógica, a não compreensão da língua portuguesa é apontada por 85% como a principal dificuldade de aprendizado. Quanto ás expectativas de inserção no mercado de trabalho, 90% dos entrevistados, afirmaram que após a formatura pretendem atuar junto a sua comunidade de origem. Os dados apontam para a relevância da formação continuada de professores que trabalham com essas etnias e a oferta de bolsas indígenas somados às políticas públicas de permanência dos indígenas nas cidades onde estudam, estão entre os pontos de maior relevância para a conclusão do ensino superior. Com o resultado de que esses futuros profissionais possam colaborar para a melhoria da qualidade de vida dos indígenas dessa região. 


Texto completo:

PDF

Referências


BANDEIRA, M. de L. Formação de professores índios: limites e possibilidades. Educação Escolar Indígena em debate. Cuiabá/MT: Seduc, 1997.

Brasil. MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO. Secretaria de Educação Fundamental. Diretrizes para a política nacional de Educação Escolar Indígena. Brasília, 1993 (Cadernos de Educação Básica, v. 2)

_____. Fundação Nacional do Índio. Legislação Indigenista Brasileira e Normas Correlatas. 3. ed. Brasília: Funai/CGDOC, 2005.

_____. Ministério da Saúde. Fundação Nacional de Saúde. Política Nacional de Atenção à Saúde dos Povos Indígenas. Brasília: Funasa, 2002.

______. Ministério da Educação. Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira. Em Aberto, Brasília, n.63, 1994.

______. Ministério da Educação. Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira. Em Aberto, Brasília, n.76, 1994.

______. Ministério da Educação. Políticas de Melhoria da Qualidade da Educação – um balanço institucional. Brasília: MEC/SEF, 2002.

______. Ministério da Educação. Secretaria de Educação Continuada, Alfabetização e Diversidade. Referencial Curricular Nacional para as Escolas Indígenas. 2. ed. Brasília:MEC/Secad, 2005a.

Cogo. Aiara Cristina Pereira ET. AL CASOS DE TUBERCULOSE ENTRE DUAS ETNIAS INDÍGENAS . On-line http://revista.univar.edu.br/ Interdisciplinar: Revista Eletrônica da Univar n. 11. Vol. 1 ISSN 1984-431X pag 82 – 87. 2014.

Gersem. dos S. L. O Índio Brasileiro: o que você precisa saber sobre os povos indígenas no Brasil de hoje / – Brasília: Ministério da Educação, Secretaria de Educação Continuada, Alfabetização e Diversidade; LACED/Museu Nacional, 2006. 224 p.

Giaccaria, B . ENSAIOS. PEDAGOGIA XAVANTE – APROFUNDAMENTO ANTROPOLÓGICO. MISSÃO SALESIANA DE MATO GROSSO. Campo Grande – MS.. 143p., 1990.

GRUPIONI, L. D. B. , Contextualizando o campo da formação de professores indígenas no Brasil MEC/UNESCO. Brasília, fevereiro 2006.

LIMA, A. C. de S. & HOFFMAN, M. B. (orgs.). , Seminário Desafios para uma educação superior para os povos indígenas no Brasil. Disponível em: http://www.trilhasdeconhecimentos.etc.br/livros/index.htm. 2007.

OLIVEIRA. R. C. de. MORFOLOGIA E SINTAXE DA LINGUA XAVANTE. Tese de Doutorado em Lingüística Coordenação dos Cursos de Pós-graduação em Letras da Universidade Federal do Rio de Janeiro. 274p. UFRJ Rio de Janeiro 2007.

QUINTINO. W. P. ASPECTOS DA FONOLOGIA XAVANTE E QUESTÕES RELACIONADAS: RINOGLOTOFILIA E NASALIDADE Tese apresentada ao Programa de Doutorado em Linguística da Universidade Federal do Rio de Janeiro – UFRJ,.500p. 2012

Silva, C A. B. ET. AL. LUTAS E CONTRADIÇÕES ENFRENTADAS PELOS ÍNDIOS XAVANTE EM BUSCA DA EDUCAÇÃO NA CIDADE DE BARRA DO GARÇAS MT. On-line http://revista.univar.edu.br/ Interdisciplinar: Revista Eletrônica da Univar (2011) n.º 6 p. 263 – 268

SILVA, N. C. et all. Enfermagem em saúde indígena: aplicando as diretrizes curriculares. Revista Brasileira de Enfermagem. Vol 56, nº 4, jul/ago, 2003; 388 - 391p.

VENERE. M. R. POLITICAS PÚBLICAS PARA POPULAÇÕES INDÍGENAS COM NECESSIDADES ESPECIAIS EM RONDÔNIA: O DUPLO DESAFIO DA DIFERENÇA Dissertação (Mestrado) Fundação Universidade Federal de Rondônia – UNIR. Núcleo de Ciência e Tecnologia. Programa de Pós-Graduação – Porto Velho, 139 p., 2005.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.