INFECÇÕES HOSPITALARES DO TRATO URINÁRIO: PERCEPÇÕES DA EQUIPE DE ENFERMAGEM

RAQUEL ALINE ALVES DE SOUSA REIS, ANA CARLA SANTANA DE CASTRO, NASCIANE CORREA DEVOTTE

Resumo


O presente estudo tem como objetivo principal identificar do conhecimento à medidas preventivas recomendadas para prevenção de infecções de trato urinário pelos profissionais de enfermagem da unidade de terapia intensiva (UTI). A prevalência das infecções hospitalares (IH) no Brasil ainda é desconhecida, porém de acordo com um inquérito do Ministério da Saúde mostrou que entre as unidades de saúde analisadas, o índice de IH variou de 13% a 15%. A infecção do trato urinário (ITU) é considerada uma das patologias infecciosas mais comuns, perdendo somente para as infecções respiratórias. As medidas preventivas adequadas das infecções do trato urinário na UTI diminui de forma significativa a necessidade de antimicrobianos, amenizando a pressão seletiva que permite o desenvolvimento de microorganismos multirresistentes. Nota-se a necessidade de capacitação e educação continuada em relação aos cuidados com os pacientes submetidos a cateterismo vesical de demora, visando a redução dos riscos de infecções relacionados ao procedimento.


Texto completo:

PDF

Referências


ABEC - FACULDADES UNIDAS DO VALE ARAGUAIA. Elaborando Trabalhos Científicos. 3ª ed, Revisada e Ampliada, 1ª Impressão. Barra do Garças - MT: ABEC, 2015.

ANVISA, Agência Nacional de Vigilância Sanitária. Medidas de Prevenção de Infecção Relacionada à Assistência à Saúde. Série Segurança do Paciente e Qualidade em Serviços de Saúde. Gerência de Vigilância e Monitoramento em Serviços de Saúde (GVIMS). Gerência Geral de Tecnologia em Serviços de Saúde (GGTES). Brasília – DF, 2013.

ANVISA, Agência Nacional de Vigilância Sanitária. Orientações para Prevenção de Infecção Primária de Corrente Sanguínea. Gerência Geral de Tecnologia em Serviços. Brasília – DF, ago. 2010.

BRITO, Ana Carolina Cristino; COSTA, Mônica Ribeiro. Critérios de Definição de Infecção Relacionada á Assistência á Saúde. Santa Casa de Misericórdia de Goiânia. Comissão de Controle de Infecção Hospitalar. Serviço de Controle de Infecção Hospitalar. Goiânia, 2013.

CALORI, Mateus Antonio de Oliveira; PELATIERI, Paula de Cássia. Cuidados no domicilio com cateter vesical de demora. Saúde em Foco, Edição n. 07, p. 217-221, 2015.

CNES, Cadastro Nacional de Estabelecimentos de Saúde. Disponível em: Acesso em 25 de outubro de 2016, às 22:35 h.

CONTERNO, Lucieni de Oliveira; LOBO, Juliana Andrade; MASSON, Wallan. Uso excessivo do cateter vesical em pacientes internados em enfermarias de hospital universitário. RevEscEnferm USP, São Paulo, v. 45, n. 5, p. 1089-1096, abr/jan. 2011.

ERCOLE, Flávia Falci; et al. Revisão integrativa: evidências na prática do cateterismo urinário intermitente/demora. Rev. Latino-Am. Enfermagem, Belo Horizonte, v. 21, n. 1, 10 telas, jan/fev. 2013.

ESSER, Maria Angélica Motta da Silva; MAMEDE, Fabiana Villela; MAMEDE, Marli Villela. Perfil dos profissionais de enfermagem que atuam em maternidades em Londrina, PR. Rev. Eletr. Enf. [Internet]., v. 14, n. 1, p. 133-141, jan/mar. 2012.

FIGUEIREDO, Danielle Alves. Fatores de risco associados à infecção hospitalar em uma Unidade de Terapia Intensiva. Universidade Federal da Paraíba. Centro de Ciâncias Exatas e da Natureza. Programa de Pós-Graduação em Modelos de Decisão e Saúde. João Pessoa-PB, 2012.

GARCIA, Lúcia Maria; et al. Perfil epidemiológico das infecções hospitalares por bactérias multidrogarresistentes em um hospital do norte de Minas Gerais. Rev Epidemiol Control Infect., v. 3, n. 2, p. 45-49, dez/mar. 2013.

GASPAR, Maria Dagmar da Rocha; BUSATO, Cesar Roberto; SEVERO, Emanoel. Prevalência de infecções hospitalares em um hospital geral de alta complexidade no município de Ponta Grossa. Acta Scientiarum, Maringá, v. 34, n. 1, p. 23-29, jan/jun. 2012.

MAGALHÃES, Samira Rocha; et al. Evidências para a prevenção de infecção no cateterismo vesical: revisão integrativa. Revista de Enfermagem UFPE online., Recife, v. 8, n. 4, p. 1057-1063, abr. 2014.

MATA, Keylla Silveira da; et al. Complicações causadas pela infecção do trato urinário na gestação. Revista Espaço para a Saúde, Londrina, v. 15, n. 4, p. 57-63, out/dez. 2014.

MAZZO, Alessandra; et al. Cateterismo urinário: facilidades e dificuldades relacionadas à sua padronização. Texto Contexto Enferm, Florianópolis, v. 20, n. 2, p. 333-339, abr/jun. 2011.

PASCHOAL, Mayara Renata Duarte; BOMFIM, Fernando Russo Costa. Infecção do Trato Urinário por Cateter Vesical de Demora. Ensaios e Ciência: Ciências Biológicas, Agrárias e da Saúde, v. 16, n. 6, p. 213-226, 2012.

PADILHA, Katia Grillo; et al. Enfermagem em UTI: cuidando do paciente crítico. Barueri – SP: Manole, 2010.

RUIZ, João Álvaro. Metodologia Científica: guia para eficiência nos estudos. 6. ed. 5. reimp. São Paulo: Atlas, 2011.

SILVA, Janaina Pereira da; BRANDÃO, José Odinilson de Caldas; MEDEIROS, Caroline Sanuzi Quirino de. Intervenção de enfermagem na prevenção das infecções do trato urinário relacionado ao cateterismo vesical de demora: uma revisão integrativa da literatura. Ciências biológicas e da saúde, Recife, v. 1, n. 3, p. 21-33, jul. 2014.

SOUZA, Ester Sena; et al. Mortalidade e riscos associados a infecção relacionada à assistência à saúde. Texto Contexto Enferm, Florianópolis, v. 24, n. 1, p. 220-228, jan/mar. 2015.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.