FISIOTERAPIA NA INCONTINÊNCIA URINÁRIA EM ATLETA GESTANTE - ESTUDO DE CASO

KAMILA CAMPOS SILVA, JULIANA WEILER, ANA CAROLINA OLIVEIRA

Resumo


A incontinência urinária (IU) é definida como a perda involuntária de urina e classificada em incontinência de esforço, de urgência, mista, reflexa e de fluxo exagerado. A IU é muito comum em gestantes devido ao aumento da pressão intra-abdominal. Nesse sentido o presente trabalho objetivou verificar a contribuição dos exercícios fisioterapêuticos no fortalecimento dos músculos do assoalho pélvico em uma atleta que possuía perda de urina devido à gestação. Para o desenvolvimento do estudo foram realizados 22 atendimentos entre o mês de Abril e Julho. Onde utilizou-se o aparelho Perina Quark – Biofeedback para mesurar o grau de força muscular e o tempo de contração que a paciente possuía antes e após os atendimentos. Os resultados apontaram que houve uma melhora da perda de urina, uma diminuição das idas ao banheiro, tanto no período noturno, quanto no diurno e um aumento significativo do grau de força muscular do assoalho pélvico.


Texto completo:

PDF

Referências


ABEC. Elaborando trabalhos científicos. 1ª ed. Barra do Garças: ABEC/UNIVAR. 2015. 140p.

ARAÚJO, C.et al. Estudo de Caso. Métodos de Investigação em Educação. Instituto de Educação e Psicologia, Universidade do Minho, 2008. Disponível em: . Acesso em: 27 de Setembro de 2016.

BARACHO, E. Fisioterapia Aplicada à Obstetrícia, Uroginecologia e Aspectos de Mastologia. 4. Ed. rev. e ampliada. Rio de Janeiro. Guanabara Koogan, 2007a.

BARACHO, Elza; BARACHO, Sabrina; VELOSSO, Fernanda; Atuação do Fisioterapeuta no Pré-natal: Orientações Gerais. In: BARACHO,Elza. Fisioterapia Aplicada à Obstetrícia, Uroginecologia e Aspectos de Mastologia. 4. Ed. rev. e ampliada. Rio de Janeiro. Guanabara Koogan, 2007b. P. 70/87.

BERQUÓ, M.S. RIBEIRO, M.O. AMARAL, R.G. Fisioterapia no Tratamento de Incontinência Urinária Feminina. Rev. FEMINA. V.37. nº.07. Julho de 2009.

LACERDA, C. A. M. Estrutura do assoalho pélvico feminino. In: RUBINSTEIN, I.

MONTEIRO, M; SILVA FILHO, A; Incontinência Urinária. In: BARACHO,Elza. Fisioterapia Aplicada à Obstetrícia, Uroginecologia e Aspectos de Mastologia. 4. Ed. rev. e ampliada. Rio de Janeiro. Guanabara Koogan, 2007. p.280/290.

MORENO, A. L. Fisioterapia em Uroginecologia – 2. Ed. rev. E ampl. Barueri – SP. Manole, 2009.

OLIVEIRA, J.R; GARCIA, R.R. Cinesioterapia no tratamento da Incontinência Urinária em Mulheres Idosas. Rev. Bras. Geriatr. Gerontol. Rio de Janeiro, v.14, n.2, pp.343-351, ago/2011.

PEREGO, A.L; BIM, C.R; Fisioterapia aplicada a Ginecologia e Obstetrícia. Rev. Cesumar. Maringá, v.04, n.01, pp.57-61, mar-jul, 2002.

RODRIGUES, P. B. Abordagem Fisioterapêutica na Incontinência Urinária de Esforço na Mulher Idosa. Janeiro de 2008. P.55/76.

SILVA, Ana Rita. Estudo Biomecânico da Cavidade Pélvica da Mulher. Dissertação (Graduação) - Faculdades de Engenharia da Universidade do Porto, 2012.

SIMÃO, C. Fisioterapia para Incontinência Urinária em Gestantes. 2011, Disponível em: < http://www.afr.org.br/app/webroot/img/paper/file/Artigos_1.pdf > Acesso em: 27/09/2016.

STEPHENSON, R.G; CONNOR, L.J.O. Fisioterapia aplicada á Ginecologia e Obstetrícia. 2. Ed. Barueri – SP. Manole, 2004.

VALÉRIO, T.M.O.S; CARVALHO,J.A; SILVA, B.E. Cinesioterapia na Incontinência Urinária de Esforço na Mulher. Revista Científica do ITPAC, Araguaína, v.6, n.4, Pub.7, Out/2013.

VIRTUOSO, Franck; MENEZES, Naiane Cristina; MAZO, Giovana Zarpellon. Fatores de risco para incontinência urinária em mulheres idosas praticantes de exercícios físicos. Rev. Bras. Ginecol. Obstet., Rio De Janeiro, v. 37, n. 2, Feb. 2015.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.